quinta-feira, 14 de setembro de 2017

2ª OLIMPÍADA DE ANATOMIA

Vai começar a 2ª Olimpíada de Anatomia da Elsevier. Depois do sucesso da primeira edição e, sabendo quanto a anatomia humana é relevante para a formação dos profissionais da saúde, chegou a hora de você testar novamente seus conhecimentos e concorrer a vários prêmios!
As inscrições poderão ser feitas de 01/09 até 25/09/2017 e estudantes das áreas da saúde que se inscreverem também podem indicar seus professores de anatomia para participar!
A competição será totalmente on-line, realizada em cinco etapas, com provas de múltipla escolha onde serão avaliados número de acertos e tempo de resposta.

QUEM PODE PARTICIPAR?

Estudantes domiciliados em território brasileiro, regularmente matriculados em um curso de graduação (tecnólogo ou bacharel), da área de Saúde de uma instituição de ensino superior brasileira, com idade igual ou superior a 18 anos completos no momento da inscrição, que estará aberta de 01/09 a 25/09/2017.
Professores que lecionam a disciplina de anatomia em algum curso de graduação (tecnólogo ou bacharel), da área de Saúde de uma instituição de ensino superior brasileira, só poderão participar caso sejam indicados por estudantes participantes (necessário completar o cadastro de 01/09 a 04/10/2017).
Ambos deverão seguir todas as condições estabelecidas no regulamento*.

Para mais infamações: 2ª Olimpíada de Anatomia
Fonte: Elsevier

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Meditação: pensamentos controlados, respiração correta e saúde de sobra

Em tempos em que o estresse faz inúmeras vítimas e se torna comum na vida das pessoas, meditar é preciso! E o SUS pode te ajudar a conhecer essa prática milenar

Foto: Sammya Alves

Trocar a euforia do dia a dia pela calmaria, descansar mente e corpo e controlar a emoção são alguns dos benefícios de uma técnica milenar que chegou ao Sistema Único de Saúde (SUS).  Estamos falando da meditação. Você sabe o que é fantástico nessa prática? Qualquer pessoa pode fazer. Ela estimula a concentração, reduz a depressão e a hiperatividade e faz com que o praticante se cuide mais.

A psicóloga Nara Moraes coordena duas turmas de meditação na Unidade Básica de Saúde (UBS) Celeste, em Campo Bom, cidade do interior do Rio Grande do Sul. Para ela, independentemente de serem ou não doentes, as pessoas podem buscar alguma das práticas integrativas para melhorar a qualidade de vida. “Não vamos esperar que tenhamos problema de memória e estresse. Vamos trabalhar a prevenção. Esse é nosso objetivo com a meditação”, orienta.
Nara Moraes explica que a meditação é um processo de tratamento e de cura, dependendo do hábito criado pelo praticante. Os benefícios são gradativos, não são de uma sessão para outra, mas podem ser rápidos sim. “O principal é o autoconhecimento. Conectar-se consigo próprio. Isso vai facilitar a conexão com o outro também”, ensina a psicóloga.
Prática Integrativa
Em uma das visitas à UBS de Campo Bom, a dona Hilária Sulzbach viu um cartaz que convidava para conhecer a meditação. Foi a primeira vez e nunca mais parou. Aprendeu a meditar em casa, inclusive. “Eu dormia mal, era ansiosa, sempre muito preocupada em fazer as coisas. Agora me sinto calma. É um tratamento sem remédio, que pode levar algum tempo, mas é muito bom”, relata. 
Desde março de 2017, a meditação e outras técnicas que promovem a saúde, e assim evitando doenças, passaram a compor o rol de serviços oferecidos pelo SUS. Isso, graças à portaria do Ministério da Saúde, responsável pela Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Um dia depois da Portaria 849/2017, a psicóloga Nara e o colega, o médico Charles Genehr, já começaram a trabalhar com a meditação como ferramenta de promoção à saúde.
Defensor da prática, Charles esclarece que o atendimento na unidade é para apresentar os métodos e guiar os pacientes, mas cabe a cada um colocar a mediação como hábito e, se possível, fazer ao menos 15 minutos todos os dias. “A mente não pode se alimentar uma vez por semana, somente”. 
O médico lembra que o estresse está envolvido com 80% das doenças e a medicação é excelente para combater esses casos. “Um estudo de Harvard mostra que a meditação foi capaz de reduzir 40% das consultas médicas. As pessoas precisam ter ciência do potencial da meditação para a condição de saúde da população”, ressalta.
Benefícios da Meditação
- Reduz a ansiedade
- Combate a depressão e o estresse
- Melhora na qualidade do sono
- Evolução na concentração, atenção e memória
- Melhora a respiração

Saúde gera saúde
Estamos falando de uma das práticas integrativas mais pesquisadas no mundo. “Ela é promotora da saúde, atua como ferramenta de conhecimento das próprias emoções, do controle do estresse, e do autoconhecimento. Isso gera diversos benefícios para o praticante, como o controle da hipertensão arterial, da ansiedade, depressão, inclusive de dor crônica”, reforça o consultor técnico do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde, Daniel Amado.
De acordo com Daniel, pesquisas têm apontado que um praticante frequente de meditação também adquire outros hábitos saudáveis. “Ele costuma se preocupar mais consigo, perceber as coisas que lhe fazem mal e adotar práticas de alimentação saudável e de atividade física”. O técnico reforça que meditação tem baixo custo e a reprodução das experiências é muito rápida.
Se na sua cidade não tiver nenhuma unidade de saúde que ofereça a meditação ou outras práticas integrativas, entre em contato com a gestão de saúde local e manifeste seu interesse. Cabe aos municípios, com apoio dos Estados e do Ministério da Saúde, implementarem este tipo de serviço.
Meditação guiada de 10 minutos
Qualidade de vida
Em 2015, a analista administrativo Juliana Morais ouviu do médico que os sintomas da síndrome do intestino irritado que ela sentia eram muito mais emocionais. Então, ela resolveu aceitar o convite de uma amiga para meditar, no lugar de usar medicação.
“Eu achei que aquilo fosse impossível, porque eu não conhecia nada sobre a prática. Mas eu também sabia que poderia ser uma alternativa para que eu não tomasse remédio por causa da síndrome. Nunca tinha meditado, o grau que eu me encontrava emocionalmente fazia com que eu achasse impossível ficar 30 minutos ali parada. Fiz e achei o máximo, me senti muito bem. Hoje eu pratico todos os dias”, relata.
Com a prática, Juliana se livrou da síndrome e ganhou qualidade de vida. “Meditação é qualidade de vida, é você aprender a olhar para si, a respirar antes de tomar alguma atitude, de fazer algum comentário. Eu super indico para todas as pessoas. Foi um divisor de águas. Existe uma Juliana antes da meditação e uma depois”, destaca.
Leia também


Erika Braz, para o Blog da Saúde

Fonte: Blog da Saúde.

Anvisa publicada resolução sobre produtos para pesquisa


Foi publicada, nesta terça-feira (12/9), a norma da Anvisa que trata dos procedimentos para a importação e a exportação de bens e produtos destinados à pesquisa científica ou tecnológica e à pesquisa envolvendo seres humanos. A Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 172/2017 está na edição 175 do Diário Oficial da União. O texto foi aprovado pela Diretoria Colegiada da Anvisa durante Reunião Ordinária Pública realizada no dia 5 deste mês. O relator do processo foi o diretor Renato Porto, da Diretoria de Regulação Sanitária (Direg).

Fonte: Portal da Saúde

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Plataforma de resumos e citações reúne mais de 60 milhões de registros


Os usuários do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) encontram no acervo da biblioteca virtual a plataforma multidisciplinar Scopus, da editora Elsevier. Trata-se de uma ferramenta de grande utilidade para toda a comunidade acadêmica, incluindo pesquisadores, graduandos, docentes, pós-graduandos e bibliotecários que visam sempre ampliar e melhorar pesquisas e trabalhos científicos.


A Scopus cobre as áreas de Ciências Sociais, Ciências Exatas, Ciências Humanas e Ciências Biológicas com resumos e citações de diversos tipos de arquivos. De acordo com o site da editora, o conteúdo inclui cerca de 130 mil livros (sendo que aproximadamente 10 mil títulos são incluídos por ano) e mais de 60 milhões de registros, que incluem periódicos revisados por pares, publicações comerciais e articles-in-press (ou seja, que foram aceitos para publicação) de grandes editoras internacionais, como Cambridge University Press, Springer Nature e Wiley.

Plataforma de resumos e citações reúne mais de 60 milhões de registros (Imagem: Scopus/Elsevier)
Na base, também é possível localizar mais de quatro mil publicações de acesso aberto, anais de conferências, páginas da web com conteúdos científicos e patentes de escritórios. O usuário ainda pode utilizar ferramentas de apoio à análise de resultados (bibliometria), como identificação de autores e filiações, análise de citações, análise de publicações e índice H. A plataforma é atualizada diariamente e conta com recursos que auxiliam o pesquisador nas buscas, tais como criação de alertas (que podem ser criados e administrados de acordo com a frequência desejada) e listas (para armazenar documentos durante a sessão de busca).


A área de Materiais didáticos do Portal de Periódicos abriga dois documentos sobre a Scopus para que os usuários aprofundem o conhecimento sobre a base e esclareçam dúvidas: um guia rápido e um guia completo. Os arquivos oferecem informações sobre tipos de busca, forma de selecionar alertas e feeds, opções de exportação dos resultados, quantidade e tipos de publicações disponíveis, diferenciais do conteúdo, entre outros pontos.

Para explorar os recursos da plataforma Scopus, acesse a opção Buscar base do Portal de Periódicos.

Verifique o conteúdo do Portal de Periódicos disponível para sua instituição.
Alice Oliveira dos Santos

Fonte: Portal CAPES.

Nova ferramenta de métrica auxilia os usuários a localizar títulos mais citados

As métricas CiteScore – um novo padrão para medir o impacto da citação em série – estão disponíveis gratuitamente para mais de 22.600 títulos na plataforma Scopus, da editora Elsevier. A base de dados compõe o acervo do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). 

O CiteScore calcula as citações de todos os documentos no primeiro ano para os documentos publicados nos três anos anteriores para um título (Gráfico: Elsevier)
O CiteScore calcula as citações de todos os documentos no primeiro ano para os documentos publicados nos três anos anteriores para um título. Por exemplo: para calcular um valor de 2015, o CiteScore conta as citações recebidas em 2015 para os documentos publicados em 2012, 2013 e 2014. Este número é dividido pela quantidade de documentos indexados no Scopus, publicados em 2012, 2013 e 2014.


As métricas são encontradas no próprio Scopus, na seção Sources. Os dados de 2016 já estão disponíveis para acesso. De acordo com os registros mais recentes, as dez revistas científicas com maior quantidade de citações são:

1. PLoS ONE 
2. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (PNAS)
3. Nature
4. Journal of the American Chemical Society
5. Science
6. Nature Communications
7. Angewandte Chemie - International Edition
8. Scientific Reports
9. New England Journal of Medicine
10. RSC Advances

Os usuários do Portal de Periódicos da CAPES têm acesso a todos os títulos elencados acima*. Além do recurso utilizado para chegar à lista supracitada (Citations 2016), dentro da ferramenta há outras opções de filtros para verificar a colocação das publicações, além de ser possível refinar as revistas científicas por área, título e ano.

Para mais informações, a editora Elsevier disponibiliza um canal de perguntas mais frequentes sobre o CiteScore: clique aqui.

Para acessar a plataforma Scopus, acesse a opção Buscar base do Portal de Periódicos.

*Verifique o conteúdo do Portal de Periódicos disponível para sua instituição.
Alice Oliveira dos Santos

Fonte: Portal CAPES.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Cientistas brasileiros desenvolvem método para diagnosticar esquizofrenia mais rápido

Cientistas brasileiros desenvolvem método para diagnosticar esquizofrenia mais rápido (Imagem: Google Plus)
Pesquisa publicada pela revista científica NPJ Schizophrenia – disponível no acervo do Portal de Periódicos da CAPES – apresenta uma grande novidade para o estudo de doenças psíquicas. Trata-se de um novo método para o diagnóstico de esquizofrenia, desenvolvido por pesquisadores brasileiros. Com mais de 90% de precisão, o exame tem como principal benefício para o paciente “uma avaliação complementar mais precisa e objetiva, evitando falsos diagnósticos positivos ou negativos e, portanto, diminuindo as chances de condutas inadequadas”, segundo Natália Mota, primeira autora do artigo. 


Atualmente, a psiquiatria segue manuais estatísticos que identificam a doença por meio do comportamento e por informações fornecidas pelo próprio paciente e seus familiares. “Para o diagnóstico da esquizofrenia, é necessário observar o paciente por pelo menos seis meses. Nesse meio tempo, é necessário ter uma hipótese diagnóstica e iniciar tratamento medicamentoso muitas vezes, o que pode levar os pacientes à análise e ao tratamento inadequados, retardando a recuperação ou mesmo levando a estigmas desnecessários”, esclarece Natália.  

De acordo com a cientista, o estudo está inserido em um novo campo denominado “Psiquiatria Computacional”. “Desenvolvemos um software que caracteriza a estrutura de um relato livre de memória feito pelo paciente”, explica a pesquisadora. “Representando a trajetória das palavras faladas como um grafo (estrutura matemática), podemos quantificar objetivamente o quanto é pouco conectado o grafo de sujeitos que recebem o diagnóstico de esquizofrenia pela equipe clínica”, explica. 

“Nós desenvolvemos a técnica no Instituto do Cérebro (da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN) durante o meu mestrado, no laboratório do professor Sidarta Ribeiro, que foi co-orientador do trabalho. Meu orientador foi o professor Mauro Copelli, do Departamento de Física da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Em 2014 publicamos os resultados em pacientes crônicos e este ano (2017) publicamos a aplicação do método para diagnóstico de esquizofrenia nos primeiros sinais da desordem durante a primeira consulta, seis meses antes do método convencional”, diz Natália. 

A cientista detalha o procedimento: “solicitamos aos pacientes um relato de um sonho recente e mostramos uma imagem de conteúdo afetivo negativo, que deve ser relatada logo após desaparecer da tela do computador. Cada relato é limitado a 30 segundos, gravado, transcrito e representado como grafo de palavras. Então, são calculados atributos de conectividade que caracterizam a desorganização do discurso do paciente”.  


A nova técnica poderá antecipar o diagnóstico da esquizofrenia em pelo menos seis meses (Ilustração: MeuCerebro.com)Natália afirma que o grupo de trabalho se inspirou na psicopatologia clássica que, desde as primeiras descrições da doença, descrevem alterações da trajetória de palavras usadas para descrever memórias de eventos cotidianos, que refletem uma desorganização dos pensamentos em pacientes com o diagnóstico. “O que fizemos foi aplicar um método matemático para a descrição psicopatológica dos sintomas, verificando-os em amostras clínicas quantitativamente e sem viés subjetivo de interpretação, automatizando o processo”, comenta. 


O exame já foi aplicado em caráter experimental em sujeitos com desordem crônica e durante os primeiros sintomas, mas ainda são necessários mais estudos em um número maior de pacientes para estabelecimento de padrões de referência.

Natália Mota é bolsista da CAPES e recebeu apoio durante os períodos de mestrado e doutorado. “Utilizo o Portal de Periódicos com frequência; o acesso a artigos científicos é fundamental para o trabalho de pesquisa. Sou muito grata pela oportunidade de ser bolsista da CAPES. Sem dúvida, sem esse financiamento, nem metade das investigações seria possível”, comemora.

Intitulado Thought disorder measured as random speech structure classifies negative symptoms and schizophrenia diagnosis 6 months in advance, o artigo científico está disponível em texto completo na revista científica NPJ Schizophrenia. O título pode ser localizado na opção Buscar periódico do Portal.
Alice Oliveira dos Santos

Fonte: Portal CAPES.

Revista lança dossiê sobre “Evidências Científicas em Homeopatia”

Dossiê busca levar à classe médica e científica, assim como ao público em geral, o estado da arte da pesquisa homeopática

A Câmara Técnica de Homeopatia do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) elaborou o dossiê especial Evidências Científicas em Homeopatia, que acaba de ser disponibilizado no site da Revista de Homeopatia da Associação Paulista de Homeopatia (APH).
Englobando 11 revisões sobre diversas linhas de pesquisa existentes nos mais variados campos da ciência, as quais comportam centenas de artigos científicos publicados em periódicos distintos, esse dossiê busca levar à classe médica e científica, assim como ao público em geral, o estado da arte da pesquisa homeopática:
De acordo com Marcus Zulian Teixeira, coordenador de disciplina sobre o tema na Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), apesar das dificuldades e limitações existentes para o desenvolvimento de pesquisas na área, tanto pelos aspectos metodológicos quanto pela ausência de apoio institucional e financeiro, “o conjunto de estudos experimentais e clínicos citados, que fundamentam os pressupostos homeopáticos e confirmam a eficácia e a segurança da terapêutica, é prova inconteste de que existem evidências científicas em homeopatia”.
Nas palavras do médico e um dos editores da publicação, busca-se esclarecer os colegas de profissão sobre a validade do emprego da homeopatia segundo princípios éticos e seguros. “Dessa forma, poderemos trabalhar unidos em torno da ‘mais elevada e única missão do médico que é tornar saudáveis as pessoas doentes, o que se chama curar’ (Samuel Hahnemann, Organon da arte de curar).”
Fonte: Jornal da USP.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Seminário Gerenciadores de Referências (Mendeley e Zotero)

A Biblioteca da UFCSPA, em parceria com a Biblioteca da UFRGS, convida para os Seminários de Gerenciadores de Referências Mendeley e Zotero.


Os gerenciadores de referências são ferramentas que auxiliam na organização de leituras e de biblioteca pessoal de referências, imagens e PDFs além de facilitarem o fichamento, a geração de referências bibliográficas e a formatação de citações instantaneamente de acordo com as normas da ABNT, Vancouver e outras.

 Agenda:
·        O que são gerenciadores de referência;
·        Comparativo entre gerenciadores;
·        Instalação;
·        Importar e exportar referências;
·        Fichas de leitura em gerenciadores de referência
·        Organização das referências;
·        Inserir citações no texto.


Seminário Mendeley 
Data: 17 de agosto de 2017
Horário: 9h às 12h
Local: Sala 618 - Prédio principal da UFCSPA
Apresentação: Vanessa Inácio
                              Bibliotecária de Referência
                              Biblioteca Central - UFRGS  


Seminário Zotero
Data: 18 de agosto de 2017
Horário: 9h às 12h
Local: Sala 618 - Prédio principal da UFCSPA
Apresentação: Luísia Feichas Alves
                              Departamento de Processos Técnicos (DPT)
                              Biblioteca Central - UFRGS  

Inscrições na Biblioteca
Vagas limitadas - 25 lugares

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Plataforma de livros eletrônicos E-volution Acesso total



Acesso TOTAL à base E-volution (coleções completas de Saúde, Exatas e Humanas), acessíveis a toda a comunidade UFCSPA.



*Para ter acesso remoto o cadastro deverá ser feito na UFCSPA.


https://www.evolution.com.br/

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Cientistas analisam mecanismos genéticos da cárie em crianças

A digestão dos alimentos começa com a mastigação e a ação da saliva. Além de facilitar a digestão, a saliva tem em sua composição substâncias antimicrobianas que agem no combate a microrganismos que podem causar doenças na boca, entre elas a cárie. Um estudo brasileiro recém-publicado pela revista científica Caries Research analisou a associação do polimorfismo genético na betadefensina e no microRNA 202 com a variação dos níveis do antimicrobiano e o aparecimento da cárie. O título está disponível no acervo do Portal de Periódicos da CAPES.

A betadefensina é um peptídeo antimicrobiano produzido a partir de informações transmitidas pelos microRNAs associados ao gene que dá origem ao peptídeo. O microRNA constitui uma classe de RNA não recombinante com papel fundamental na regulação da expressão gênica. “É o primeiro artigo em Odontologia a estudar o polimorfismo genético em microRNA”, disse a pesquisadora Erika Calvano Küchler em entrevista à Agência FAPESP. 

“A cárie é uma doença multifatorial complexa e que podemos prevenir. Nosso interesse neste trabalho foi tentar entender quais seriam os mecanismos moleculares, principalmente aqueles de origem genética, envolvidos no aparecimento da cárie em crianças”, detalhou Küchler. 

“Nosso trabalho consistiu em duas partes. A primeira visou replicar os estudos entre o gene da betadefensina e a suscetibilidade à cárie na população brasileira, para verificar se obteríamos os mesmos resultados. A segunda parte deu um passo adiante, ao fazer uma análise para detectar a associação ou não entre polimorfismo no microRNA 202 e a suscetibilidade ao desenvolvimento da cárie”, relatou a cientista.

Os níveis salivares dos peptídeos de betadefensina foram coletados em amostras de saliva de 168 crianças, entre dois e 12 anos, da pré-escola e do ensino fundamental no Rio de Janeiro. A pesquisa consistiu ainda na realização de um questionário comportamental para detectar, por exemplo, o número de escovações diárias, quais crianças escovavam os dentes antes de dormir, quais usavam fio dental e quais ingeriam doces entre as refeições. 

Por fim, foi feita uma análise multifatorial que levou em conta os resultados genotípicos de DEFB1 e do microRNA 202, os níveis de betadefensina na saliva e os critérios de avaliação comportamental das crianças. “No futuro, quando identificarmos o conjunto de genes associados ao aparecimento da cárie, será possível detectar bem cedo quais crianças têm maior predisposição ao desenvolvimento de cárie e iniciar tratamento de prevenção”, analisa Küchler.

Para o desenvolvimento da investigação, Erika Küchler confirma a necessidade de uma ferramenta como a biblioteca virtual da CAPES: “utilizo com frequência o Portal de Periódicos e sempre recomendo aos meus alunos. Esse trabalho é parte da tese de doutorado da Andrea Lips (primeira autora da pesquisa) e o Portal foi utilizado tanto por mim quanto por ela durante a pesquisa bibliográfica do estudo”.

Küchler complementa: “Fui bolsista da CAPES nos períodos de mestrado, doutorado e pós-doutorado. Além disso, muitos dos meus alunos são ou foram bolsistas também. O apoio da CAPES é imprescindível para a formação de pesquisadores e para o avanço da pesquisa brasileira”.

O artigo científico Genetic Polymorphisms in DEFB1 and miRNA202 Are Involved in Salivary Human β-Defensin 1 Levels and Caries Experience in Children está disponível em texto completo para os usuários do Portal de Periódicos da CAPES. Para localizá-lo, acesse a publicação Caries Research, por meio da opção Buscar periódico.

O título é focado exclusivamente na pesquisa da cárie, com estudos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais. A ampla cobertura da pesquisa inovadora em cáries dentárias deu à revista científica uma notável reputação internacional como fonte para cientistas básicos e clínicos envolvidos em compreensão, investigação e prevenção de doenças dentárias.

Verifique o conteúdo do Portal de Periódicos disponível para sua instituição.

Com informações da Agência Fapesp

Alice Oliveira dos Santos

Fonte: Portal CAPES.