sábado, 31 de julho de 2010

Infecção generalizada mata 6 vezes mais que trânsito

Anualmente, 220 mil pessoas morrem da doença, que toma conta do organismo.

AE - Agência Estado

No Brasil, mortes por sepse - termo médico para infecção generalizada - superam em seis vezes os óbitos no trânsito. Anualmente, 220 mil pessoas morrem da doença, enquanto acidentes entre veículos mataram 34.597 em 2008, de acordo com a última estatística disponível no Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde. A comparação entre os dados foi feita pela Sociedade de Terapia Intensiva do Estado do Rio de Janeiro (Sotierj), que pela primeira vez promove um congresso dedicado ao tema. O encontro termina amanhã.
"O assunto preocupa porque há uma deficiência muito grande no ensino da medicina", disse Moyzes Damasceno, coordenador de terapia intensiva do Hospital de Clínicas de Niterói e presidente da Sotierj, que critica a formação oferecida pelas faculdades. "A terapia intensiva, especialidade dos médicos que atuam em UTIs, não faz parte da grade curricular das faculdades de medicina."
Pesquisa do Instituto Latino-Americano da Sepse (Ilas), realizada com 917 médicos de 21 hospitais brasileiros, mostrou que apenas 27% sabem reconhecer a doença, provocada por uma reação do organismo a uma infecção - as toxinas liberadas pelo sistema imunológico para combater bactérias ou vírus são tão potentes que acabam atacando também órgãos vitais como rins, coração, pulmão e cérebro.
Desde 2005, o Ilas encabeça no Brasil a campanha mundial Sobrevivendo à Sepse. Faz parte do trabalho arregimentar centros médicos, que têm seus funcionários treinados e passam a abastecer o Ilas com dados sobre a doença. Segundo o último relatório da instituição, de abril, 48,7% dos pacientes com sepse grave e 65,5% dos com choque séptico morrem no Brasil. No mundo, essas taxas estão em 23,9% e 37,4%, respectivamente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo


Fonte: O Estado de São Paulo, 30 de julho de 2010.

Deixe seu comentário:

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Biblioteca fechada no sábado - 31 de julho

À Comunidade da UFCSPA,

O NTI comunica a parada de toda a rede de computadores durante os dias 31 de julho (sábado) e 1° de agosto (domingo). Esta parada afetará todos os serviços, tanto externos como internos, portanto a Biblioteca estará fechada sábado.

O NTI da UFCSPA estará realizando a troca de equipamentos e a aplicação de novas configurações de segurança e qualidade de serviço.

Não há geriatras para todos, diz sociedade brasileira do setor

Há desinteresse de estudantes de medicina na área, por causa de ausência da disciplina nos currículos

Fabiane Leite - O Estado de S. Paulo

O presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, João Carlos Barbosa Machado, afirmou que não existirão geriatras suficientes para atender a toda a população idosa no Brasil, e defendeu que todas as principais especialidade médicas se capacitem para assistir o grupo etário, principalmente os idosos com restrições físicas.

Hoje, 26% da população brasileira tem até 14 anos e só 6,6% têm 65 anos ou mais. Em 2050, idosos serão 22,7% e adolescentes, 13,1%, mostram dados do IBGE. No Brasil, atualmente, 72% dos idosos tem alguma dificuldade para realizar tarefas e 15% limitações mesmo para as mais básicas, como alimentar-se ou ir ao banheiro.

"Se fôssemos atender só os mais frágeis e dependentes, e considerando o padrão da Organização Mundial da Saúde de um geriatra para cada 563 idosos, necessitaríamos de 5.000 a 8.000 geriatras", afirmou João Carlos Barbosa Machado, presidente da entidade, durante o 17º Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia, que ocorre em Belo Horizonte.

Atualmente existem em torno de 900 geriatras no País e 290 gerontologistas - profissionais de diversas áreas que se especializam na atenção às necessidades do idosos, de fisioterapeutas a advogados e arquitetos.

Segundo Machado, ainda há desinteresse de estudantes de medicina em relação à área por causa de ausência da disciplina nos currículos. Ela não é obrigatória.

Mesmo nos EUA o problema é semelhante: estima-se que existam 2.000 geriatras, e a necessidade é seis vezes maior.

"Mas todos os médicos irão lidar com idosos, exceto a pediatria. Mesmo um obstetra, dependendo da atuação, pode causar na mulher a incontinência urinária quando ela envelhecer, se errar em determinados procedimentos", declarou Machado.

Segundo Karla Giacomin, presidente da Comissão Científica do Congresso, em Belo Horizonte só há dois geriatras contratados na rede pública, para uma população de 285 mil idosos.

A sociedade defendeu que o profissional seja um coordenador dos atendimentos ao idoso, pois é capaz de fazer uma avaliação funcional, social, nutricional, cognitiva, com ajuda de uma equipe.

"Ele tem a visão global. É ideal para o idoso que tem múltiplos problemas de saúde, vive no médico, toma vários remédios", afirmou o presidente.

"Os principais riscos para o idosos são os "is": a iatrogenia -efeitos adversos ou da interação de diversos remédios -, incontinência urinária, imobilidade, instabilidade, o que leva às quedas, e a incapacidade cognitiva", disse Machado.


Fonte: O Estado de São Paulo


Deixe seu comentário:

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Amigos fazem probabilidade de sobrevivência aumentar em 50%, diz estudo

Pesquisadores americanos afirmam que ter poucos amigos é tão prejudicial à saúde como fumo ou alcoolismo.

Uma pesquisa da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, sugere que ter uma boa rede de amigos e vizinhos pode aumentar as chances de sobrevivência de uma pessoa em 50%.

A pesquisa, publicada na revista especializada PLoS Medicine, chegou a esta conclusão ao analisar dados de cerca de 150 estudos que analisavam as chances de sobrevivência em relação a redes sociais.

Para os pesquisadores americanos, ter poucos amigos pode ser tão prejudicial à sobrevivência de uma pessoa como fumar 15 cigarros por dia ou ser alcoólatra.

Os cientistas acreditam que tomar conta de outras pessoas nos leva a cuidar melhor de nós mesmos.

Para Julianne Holt-Lunstad, que liderou o estudo, há muitas formas pelas quais amigos, colegas e família podem aumentar a saúde e bem-estar de uma pessoa.

"Quando alguém está conectado a um grupo e se sente responsável por outras pessoas, aquele senso de propósito e significado se traduz com a pessoa tomando conta dela mesma e assumindo menos riscos", afirmou.

Para os pesquisadores, perder o apoio social pode diminuir ainda mais as chances de sobrevivência do que obesidade ou sedentarismo.

Sete anos

Os cientistas analisaram 300 mil pessoas em quatro continentes em um período de sete anos. Segundo esta análise, aqueles com redes sociais mais fortes se saíram melhor em resultados de saúde e expectativa de vida.

A probabilidade de estas pessoas estarem vivas em qualquer idade era quase duas vezes maior do que daqueles considerados solitários.

O estudo incluiu pessoas de todas as idades, sem levar em conta o estado de saúde inicial dos pesquisados.

"O efeito não é isolado em adultos mais velhos. Relacionamentos fornecem um nível de proteção a todas as idades", afirmou Timothy Smith, outro pesquisador que participou do estudo.

Smith, no entanto, alerta que os aparatos modernos e a tecnologia podem levar algumas pessoas a pensar que redes sociais face a face não são mais necessárias.

"Como humanos, nós encaramos relacionamentos como algo garantido, somos como peixes que não notam a água. A interação constante não é apenas um benefício psicológico, mas influencia diretamente nossa saúde física", acrescentou.

Fonte: O Estado de São Paulo

Deixe seu comentário:

sábado, 24 de julho de 2010

Socorro equivocado


Estudo conduzido por cientistas canadenses indica que séries de TV baseadas na rotina de hospitais, como “Plantão Médico”, “House” e “Grey’s Anatomy”, retratam procedimentos de primeiros socorros equivocados, na maior parte dos casos. A conclusão levanta uma preocupação sobre o tipo de mensagem que esses programas passam para o telespectador. Após assistirem a centenas de episódios, os pesquisadores da Universidade Dalhousie, em Halifax, perceberam que em 59 ocasiões os personagens tiveram de lidar com convulsões de epilepsia. E em apenas 17 delas (menos de 30%) a reação foi a correta. “Não examinamos exatamente como a televisão exerce impacto sobre o público. Mas nosso medo é que as pessoas assistam a esses programas, vejam os enfermeiros e médicos respondendo a convulsões dessa forma e reajam de modo semelhante nessa mesma situação”, disse um dos coordenadores do estudo, Andrew Molar. As diretrizes médicas mais atualizadas recomendam que, diante de uma crise convulsiva, o socorrista procure, primordialmente, evitar contusões e pancadas: por exemplo, afastando objetos e colocando um travesseiro sob a cabeça da pessoa.


Fonte: Correio do Povo, 24 de julho de 2010. Vitrine, p. 2

1° CURSO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA / FINANCEIRA EM CLÍNICAS DA ÁREA MÉDICA - Curso Anual

Objetivo
Com vasto conhecimento sobre o assunto, Fausto Luiz Alves, professor da Associação Paulista de Medicina e Associação Paulista dos Cirurgiões Dentistas, proporcionará aos profissionais da área da saúde e colaboradores que atuam nas áreas administrativas das clínicas, a oportunidade de usufruir de uma gama de conhecimentos administrativos para análises e tomada de decisão. Através de conceitos e exemplos práticos, o participante exercitará ferramentas utilizadas no dia-a-dia do negócio obtendo informações para aprimorar a gestão de pessoas e processos.

Público-alvo
Cirurgiões-dentistas, Médicos, Administradores, Nutricionistas, Fisioterapeutas, Investidores e demais profissionais da área médica ou que atuam da área de gerência de clínicas.

Conteúdo Programático
Entendendo o custo do valor do dinheiro no tempo
Financiamento - qual o melhor sistema sac ou price?
Índices de mercado: inflação, selic, poupança, ... Como utilizar
Entendendo e interpretando demonstrações financeiras
Balanço patrimonial, demonstrativo de resultados e caixa
Conceito competência e caixa
Diferença entre custos, despesas e investimentos
Custos – como calcular?
Custos fixos/variáveis/diretos/indiretos
Margem de contribuição e ponto de equilíbrio
Venda à vista ou venda a prazo? Quanto de juros eu considero?
Depreciação – preciso calcular para o meu negócio?
Lucro presumido x lucro real
Provisão de férias e 13o. Salário
Capital próprio x capital de terceiros
Cálculos de ociosidades de instalações/equipamentos/profissionais
Cálculos do custo de salas para locação de espaço
Compra de máquinas/equipamentos >>> qual a melhor opção?
Preciso reformar a minha clínica >>> quais linhas de crédito eu consigo?
Convênios / Controle de Glosas

Metodologia
Aulas Teóricas – Práticas – Estudo de Casos.


Instrutor
Fausto Luiz Alves - Professor Universitário e MBA – ESAMC e São Leopoldo MandicConsultor de Empresas Pós-Graduado em Economia, Administração e MarketingProfessor do Curso de Gestão Administrativa/Financeira da ACDC – Associação dos Cirurgiões Dentistas de Campinas e RegionaisProfessor do Curso de Gestão Administrativa/ Financeira da APM – Associação Paulista de Medicina - Regionais.

Carga Horária
16 h/aulas

Custo
R$ 450,00

Formas de pagamento
Desconto de 5% para pagamento à vista até dia 12 de julho
Após 12 de julho: em 2 vezes (entrada + 1)
Ou em 3 vezes de 165,00

Data: 30 e 31 de julho de 2010
Horário: 8:00h às 12:00h e das 14:00h às 18:00h
Local de realização: Porto Alegre/RS (Endereço a definir)

Serviços:
Coffee Break
Certificado de participação


INSCRIÇÕES
INFORMAR - Gerência de Documentos e Informações Ltda.
Endereço: Av. Goethe, n. 23, Loja 09 - Porto Alegre/RS
Horário: Das 8 h às 12 h / 13 h 30 min às 18 h.
Telefone: (51) 3029 7042
E-mail: atendimento@informar-rs.com.br
Site: http://www.informar-rs.com.br

::PRÉ-INSCRIÇÃO::

Cancelamentos:
Cancelamentos por parte do candidato devem ser feitos por escrito em até 5 dias antes da data do curso. Caso o pagamento já tenha sido efetuado, consideram-se as seguintes alternativas:a) o valor pago poderá ser utilizado integralmente para qualquer outro curso de igual valor, ou como abatimento em curso de maior valor. b) em caso de desistência por parte do aluno, com solicitação de reembolso, será feita a devolução de 80% do valor pago, sendo 20% retidos a título de taxas administrativas. Cancelamentos, adiamentos ou qualquer outra modificação na realização do curso que ocorram por parte da INFORMAR, e que impossibilitem a participação do candidato, a devolução do valor será feita integralmente, no prazo de até 3 dias.

PATROCÍNIO: MENPHIS - Móveis e equipamento médico odontológico

Site: http://www.menphis-rs.com.br/

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Mudanças na localização do acervo de livros

A Biblioteca, procurando melhor atendê-lo e aproveitando melhor o espaço físico dos livros nas estantes, fez algumas alterações provisórias que devem ser observadas quando na localização de um livro específico.

Agora, no primeiro piso da Biblioteca, próximo às estantes de Teses e Dissertações, na estante 1, estão localizados os acervos das seguintes áreas:

001 METODOLOGIA CIENTÍFICA

004 INFORMÁTICA
100 FILOSOFIA
110 METAFÍSICA
121 EPISTEMOLOGIA
149 RACIONALISMO / LINGUÍSTICA FILOSÓFICA
150 PSICOLOGIA
160 LÓGICA
170 ÉTICA
174 ÉTICA MÉDICA
180 FILOSOFIA ANTIGA
200 RELIGIÃO

300 CIÊNCIAS SOCIAIS
301 SOCIOLOGIA / ANTROPOLOGIA
302 PSICOLOGIA SOCIAL
330 ECONOMIA
340 DIREITO
370 EDUCAÇÃO

No segundo piso, o acervo está organizado com as demais áreas do conhecimento, relacionadas com os conteúdos dos cursos.


Deixe seu comentário

Estudo mostra que deprimido vê tudo mais cinza mesmo

Menor percepção do contraste entre branco e preto foi proporcional à gravidade do quadro.

Um estudo indica que a depressão dilui o contraste entre o preto e o branco, deixando o mundo literalmente cinza para os pacientes. A pesquisa foi publicada na revista "Biological Psychiatry".
Os analistas alemães mediram as respostas elétricas para determinar a atividade da retina em 40 pessoas que sofriam de depressão, das quais metade recebia medicamento, e em outras 40 não afetadas por essa condição.
A retina tem células fotorreceptoras que transformam os sinais luminosos em impulsos elétricos enviados ao sistema visual do cérebro.
Nos pacientes deprimidos, foi observado menor contraste retinal que no grupo de controle, independentemente de estarem recebendo medicação para doença ou não.
Também foi descoberta uma relação entre o nível de contraste e a gravidade dos sintomas: nos pacientes mais deprimidos, a resposta da retina foi mais frágil.


Fonte: Folha de São Paulo, 22 de julho de 2010, p. C7


Deixe seu comentário

Jornais na Biblioteca



A Biblioteca está oferecendo novos jornais e mais exemplares para consulta!!

Agora passamos a receber mais um exemplar de Zero Hora, dois exemplares do Correio do Povo e dois exemplares da Folha de São Paulo.

Mais informação diária atualizada com mais facilidade de leitura!!

sábado, 3 de julho de 2010