segunda-feira, 30 de abril de 2012

Câncer pode estar relacionado ao ambiente de trabalho


Levantamento realizado pelo INCA apontou 19 tipos de tumores malignos que podem ter relação com as profissões. Entre eles, o câncer de pele, laringe, fígado, leucemias, câncer de mama e pulmão.

Levantamento do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) revela que, pelo menos, 19 tipos de tumores malignos, entre eles os de pulmão, pele, fígado, laringe, bexiga e leucemias podem estar relacionados à atividade profissional e ao ambiente de trabalho do paciente. O dado consta da publicação Diretrizes para a Vigilância do Câncer Relacionado ao Trabalho, lançada pelo instituto, nesta segunda-feira, dia 30. De acordo com as estatísticas, o Brasil registrará este ano 20 mil novos casos de câncer relacionados à ocupação dos pacientes. 
O levantamento, que reuniu as últimas pesquisas mundiais sobre câncer relacionado ao trabalho, revela desde as substâncias mais comuns associadas ao desenvolvimento de tumores malignos, como o amianto (ou asbesto) - classificadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como cancerígenas - até produtos aparentemente inofensivos, como poeiras de madeira e de couro, além de medicamentos, como os antineoplásicos, por exemplo.

Trabalhadores de profissões como as de cabeleireiro, piloto de avião, comissário de bordo, farmacêutico, químico e enfermeiros são mais propensos ao desenvolvimento desses tumores, justamente pela a estas substâncias.

“Raramente o médico pergunta ao paciente qual a ocupação dele. É importante que os profissionais da saúde questionem aos doentes diagnosticados com câncer qual foi a rotina laboral que exerceram por mais tempo em suas vidas. Só assim será possível identificar e registrar os casos de câncer relacionados ao trabalho no Sistema Nacional de Agravos do Ministério da Saúde (Sinan)”, alerta epidemiologista Ubirani Otero, responsável pela área de Vigilância do Câncer Relacionado ao Trabalho e ao Ambiente do INCA.

CONTEXTO - No Brasil, a Previdência Social concedeu, em 2009, 113.801 benefícios de auxílio-doença por câncer (acidentário e previdenciário), sendo que apenas 0,66% deste total foram registrados com base na relação ocupacional do paciente.
O diretor-geral do INCA, Luiz Antonio Santini, comenta que a publicação traz todo o conteúdo didático sobre os principais agentes cancerígenos, os tumores malignos por eles provocados e a associação com algumas ocupações específicas. “Os trabalhadores precisam de mais informações sobre os riscos no exercício de suas funções, porque as concentrações de substâncias cancerígenas, geralmente, são maiores nos ambientes de trabalho quando comparadas a outros locais”, explica. Santini informa ainda que, de acordo com as estimativas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), 440 mil pessoas morreram no mundo em decorrência da exposição às substâncias perigosas. Desse total, 70% foram vítimas de algum tipo de câncer.

PREVENÇÃO - De acordo com as diretrizes do INCA, para reduzir o número de tumores malignos relacionados com exposições ocupacionais, a principal estratégia consiste na eliminação ou redução da exposição aos agentes causadores. Desse modo, o primeiro passo para prevenir o câncer deverá ser a identificação de agentes conhecidos por causarem aumento do risco para a doença. A legislação já prevê alguns instrumentos capazes de auxiliar nessa identificação, como a ficha de informação de produtos químicos, a catalogação das empresas com a atividade ou uso de agentes cancerígenos, o reconhecimento e a avaliação de risco nos ambientes de trabalho, além do controle da exposição aos fatores de risco.

Os principais grupos de agentes cancerígenos relacionados ao trabalho incluem os metais pesados, agrotóxicos, solventes orgânicos, formaldeído e poeiras (amianto e sílica). A via de absorção (respiratória, oral ou cutânea), a duração e a frequência da exposição aos agentes nocivos influenciam a toxidade, mas esses dois últimos fatores não são fundamentais para o desencadeamento do processo da carcinogênese.

“A prioridade da prevenção é a remoção da substância cancerígena do processo das atividades exercidas pelos trabalhadores. Enquanto isso não acontece, as recomendações alternativas são: evitar a exposição e gradualmente eliminar o uso desses agentes, restringir o contato com cancerígenos a determinadas atividades, com a adoção de níveis mínimos de exposição, associado ao monitoramento ambiental cuidadoso, além da redução da jornada de trabalho diário”, completa Ubirani.

Acesse a publicação Diretrizes para a Vigilância do Câncer Relacionado ao Trabalho  

FONTE: Portal da Saúde, 30/04/2012

A Fundação Nanosciences faz chamada para o recrutamento de Cátedras de excelência

Fundação Nanosciences apoia uma rede de 33 laboratórios em Grenoble na França e cerca de 1000 pesquisadores

A Fundação Nanosciences é uma fundação de cooperação científica criada para apoiar uma rede de 33 laboratórios em Grenoble na França e cerca de 1000 pesquisadores permanentes - dedicados às nanociências. A Fundação tem como objetivo reforçar a excelência de seus projetos de pesquisa, apoiando as sinergias e os projetos transversais, e desenvolvendo a atratividade internacional da região de Grenoble na área de nanociências.

Pelo 6º ano consecutivo, a Fundação lançou sua chamada de propostas para o recrutamento de Cátedras de excelência. Este programa está sendo implementado para atrair nos laboratórios da rede pesquisadores talentosos desejando desenvolver em Grenoble um programa de pesquisa inovador na área de nanociências.

Trata-se de um programa aberto a pesquisadores júniors ou seniores, de qualquer nacionalidade, morando fora da França. Oferece cargos em tempo integral ou não, para estadias de 9 meses (que podem ser repartidas sobre 3 anos) a 36 meses a partir de janeiro de 2013.

O programa e formulário de candidatura estão disponíveis no site :


Data limite de submissão das propostas : 16/09/2012

Contato (exclusivamente) : Sra. Stéphanie MONFRONT : mailto:stephanie.monfront@fondation-nanosciences.frnanosciences.fr

FONTE: FAPERGS, 20/04/2012

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Ciclo de debates sobre a Saúde das Populações Indígenas Brasileiras

                        A Universidade Federal de Ciências de Saúde de Porto alegre (UFCSPA) realiza de 2 a 5 de maio o ciclo de debates Saúde das populações indígenas brasileiras. O evento será realizado no Salão Nobre, da universidade.
                      As inscrições (gratuitas) serão realizadas na hora e no local do evento. Mais informações pelo e-mail ricardomorsch@hotmail.com. Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

                       Confira a programação:


02/05 quarta-feira “Temos indígenas aqui!”
 19h - Panorama demográfico dos povos indígenas no Brasil

• Índigenas no Rio Grande do Sul

• Direito a Saúde

• Perfil saúde x doença

• Perfil epidemiológico saúde indígena



03/05 - Quinta-feira: “O corpo e seus espíritos”
19h - Questão Intercultural

• “Medicina do branco” x “Medicina do índio” ou “Pluralidade de sistemas médicos e Itinerários terapêuticos indígenas”, possibilidade de diálogo e articulação.

• Parteiras, pajés, rezadores



04/05 – Sexta-feira “A universidade na formação de recursos humanos para o trabalho em saúde indígena”
 19h – A experiência do projeto EPM/Unifesp/Xingu

• Agentes e profissionais de saúde índios e não índios

 05/05 – Sábado “A universidade e a saúde dos povos indígenas”
9h – O projeto EPM/Unifesp/Xingu

• Ensino/pesquisa/assistência
• Conexões de saberes: indígenas e universidade


FONTE: UFCSPA

Deixe seu comentário:

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Senado aprova a venda de remédios em supermercados

Gabriela Guerreiro
de Brasília

O Senado aprovou ontem uma medida provisória que libera a venda de medicamentos em supermercados, armazéns e empórios -desde que não estejam sujeitos a prescrição médica.

O texto prevê que os estabelecimentos comerciais devem observar "relação a ser elaborada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)" posteriormente para a venda dos medicamentos, mas não traz nenhuma regulamentação.
O projeto que transforma a medida provisória em lei será encaminhada à sanção da presidente Dilma Roussef.

Mas até senadores aliados do governo criticaram a MP. Ex-ministro da Saúde, o senador Humberto Costa (PT-PE) pediu que a presidente não sancione o artigo e disse ainda que a tendência de Dilma é de vetar o projeto.

"Se esse artigo não for vetado pela presidente garantirá que estabelecimentos comerciais poderão dispensar e comercializar medicamentos, o que se trata de um verdadeiro absurdo. O líder do governo e o relator da MP podem assumir a pressão para que haja o veto a este artigo."

INCLUSÃO

A autorização foi incluída em um texto originalmente encaminhado pelo governo ao Congresso que previa a desoneração das contribuições sociais sobre produtos destinados a portadores de deficiência e do IPI nas operações de compra de veículos automotivos para os portadores de deficiência.

Além dos medicamentos, a MP traz outros dez assuntos que não têm ligação com o seu objeto principal. Irritada com o excesso de "contrabandos", a oposição reagiu.

Como os oposicionistas não são contrários à isenção fiscal de produtos para deficientes físicos, acusam o governo de ter se aproveitado de um tema consensual para incluir outros assuntos.

OUTROS PAÍSES

Nos EUA, remédios que não precisam de prescrição como analgésicos, antitérmicos, antialérgicos e laxantes, podem ser encontrados em supermercados e até em lojas de conveniência.

No Reino Unido, esses medicamentos também podem ser vendidos em mercados.


quarta-feira, 25 de abril de 2012

Beleza em capsulas


              Revista IstoÉ desta semana destaca o uso de pílulas contendo nutrientes como o mais novo fenômeno da beleza e que são indicadas por médicos para atenuar rugas, melhorar o viço da pele, combater a celulite e fortalecer unhas e cabelos, entre outros efeitos.

               Leia a matéria na biblioteca ou aqui.
 
FONTE: IstoÉ, 20/04/2012
 
Deixe seu comentário:

Acesso ao AccessPharmacy

   


          A McGraw-Hill liberou o acesso ao Access Pharmacy até o dia 23 de maio.



         Para acesso na UFCSPA, acesse o link:   http://www.accesspharmacy.com/

        
Deixe seu comentário:

Assista ao tutorial de acesso ao AccessMedicine

        Embora em espanhol, o vídeo mostra como acessar o AccessMedicine™, da McGraw-Hill, que dá acesso a:

Mais de 60 títulos médicos de excelência, com conteúdo atualizado, escritos pelas principais cabeças da medicina mundial.



Base de dados integrada de medicamentos, oferecendo informações críticas como dosagens, contra-indicações e classes.


Diagnosaurus, ferramenta de auxílio na definição de diagnósticos (também disponível como aplicativo para dispositivos móveis).


Recurso de auto-avaliação interativa para estudantes

Mais de 800 perguntas de múltipla escolha com respostas e explicações.


Mais de 35.000 ilustrações entre fotos, figuras, vídeos e animações de procedimentos.
 Possibilidade de visualizar e fazer download de conteúdos específicos ao seu dispositivo móvel.



Deixe seu comentário:

Acesso gratuito a base de dados AccessMedicine


A Dot.Lib, na condição de representante oficial e exclusivo no Brasil da editora McGraw-Hill (mundialmente reconhecida como um dos mais importantes editores de conteúdo em medicina, ciência e tecnologia), está oportunizando conhecer e avaliar GRATUITAMENTE, até o dia 10/05/2012, a base de dados AccessMedicine.

AccessMedicine é a principal ferramenta online em medicina da McGraw-Hill, e oferece a profissionais, pesquisadores e acadêmicos o que há de melhor e mais atualizado na área – incluindo mais de 60 títulos médicos de excelência (em suas edições mais recentes) escritos pelas principais mentes da medicina mundial.

Cadastre-se GRATUITAMENTE para o recebimento de seus dados de acesso através do site:  http://www2.marketingdotlib.com.br/hotsite/MCGRAWHILL/accessmedicine

Neste mesmo endereço é possível obter informações mais detalhadas a respeito da AccessMedicine e dos recursos que a base oferece.

Deixe seu comentário:

Conheça a tecnologia da Sala Inteligente de cirurgia da Santa Casa



FONTE: Zero Hora

Deixe seu comentário:

terça-feira, 24 de abril de 2012

Governo faz campanha de vacinação antigripe entre 5 e 25 de maio


Segundo o governo, serão 33,9 milhões de doses de vacina em 2012.

A partir deste ano, população prisional será incluída no público-alvo.
 
O governo federal lançou nesta terça-feira (24) a 14ª edição da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe, que ocorrerá entre 5 e 25 de maio nos postos de saúde de todo o país, além de postos móveis que serão instalados para a campanha.

A meta do Ministério da Saúde é imunizar 80% de 30,1 milhões de pessoas consideradas dentro da população vulnerável à manifestação grave da gripe.

Além de idosos, indígenas, crianças com idade entre 6 meses e dois anos, gestantes e profissionais de saúde, que formavam o público-alvo da campanha no ano passado, o governo também prevê vacinar 500 mil detentos do sistema prisional.

"A vacina visa a proteger os grupos mais vulneráveis para reduzir casos graves e óbitos", disse o Secretário de Vigiância em Saúde, Jarbas Barbosa.

Segundo o Ministério da Saúde, foram investidos R$ 260,3 milhões na aquisição de 33,9 milhões de doses de vacina contra gripe. Outros R$ 24,7 miilhões foram repassados a estados e municípios para custear, por exemplo, a infaestrutura das campanhas e e o deslocamento de equipes para vacinação.

Em 2011, 25,2 milhões de pessoas foram vacinadas durante a campanha de vacinação. O número equivale a 84% dos 29,9 milhões de pessoas consideradas público-alvo da campanha do ano passado. Este ano, a vacina protege contra três tipos do vírus Influenza - H1N1, H3N2 e influenza B.

"É uma vacina diferente das outras, feita exclusivamente para uso em campanha com base nos tipos de gripe de maior transmissão no ano anterior", disse Barbosa.

H1N1

Em 2011, o Ministério da Saúde registrou redução de 64,1% no número de mortes (53) causadas pelo agravamento da gripe do tipo H1N1 na comparação com o ano anterior, quando 148 pessoas morreram. Já o s casos graves notificados diminuíram de 9.383 para 5.230, o que equivale a uma queda de 44%.

"A gripe H1N1 não é mais considerada pandêmica pela Organização Mundial de Saúde (OMS), mas é um tipo de vírus que ainda circula. Se a população se proteger ao se vacinar e se os profissionais de saúde prescreverem corretamente a população, nós podemos reduzir cada vez mais os óbitos nesses casos", disse o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Prevenção

O Ministério da Saúde recomenda como medida de prevenção para evitar a gripe que se mantenham cuidados básicos de higiene. Entre eles está a lavagem frequente das mãos com água e sabão.

O Ministério também sugere que se evite tocar olhos, boca e nariz depois de contato com superfície e que não se compartilhe objetos de uso pessoal. Ao tossir ou espirrar, a boca e o nariz devem ser cobertos com um lenço.

FONTE: G1 Ciência e Saúde, 24/04/2012

Deixe seu comentário:

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Apresentação de software que verifica originalidade de trabalhos



A empresa Systems Link fará uma apresentação, juntamente com representante do editor iParadigms, da ferramenta de verificação de originalidade Turnitin, no dia 3 de maio, às 11 horas, na Sala 619.

As ferramentas abordadas serão:

Originality Checking: é uma ferramenta de verificação de originalidade de trabalhos e que se baseia na comparação dos textos enviados com diversas bases de dados na Internet, assinalando as semelhanças e ilustrando o resultado em percentagem. Esta ferramenta permitirá aos docentes e estudantes obter um feedback sobre o estado do seu trabalho no que diz respeito ao risco de plágio, incentivando, através de um processo interativo, o procedimento de escrita original de trabalhos acadêmicos, ou até mesmo científicos.

Grademark: Este componente permite corrigir e deixar anotações nos trabalhos dos estudantes sem que seja necessário imprimi-los. Com uma apresentação visual semelhante ao Relatório de Originalidade é possível classificar e anotar - recorrendo a uma base de dados de comentários reaproveitável - os trabalhos enviados de uma forma rápida e fácil, fornecendo ao estudante o feedback necessário para melhorar a sua prestação.

Peermark: Este componente disponibiliza aos alunos a oportunidade de aprender com os colegas, avaliando e tendo os trabalhos avaliados pelos mesmos.

Inscrições a partir de 23 de abril, das 10h às 19h, na Sala 618 ou pelo telefone (51) 3303.8770.
 

Abertas as inscrições para concursos culturais sobre prevenção ao uso de drogas

Estudantes, fotógrafos e músicos de todo o Brasil podem enviar seus trabalhos para os concursos promovidos pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) do Ministério da Justiça, com o tema A Prevenção ao uso de drogas é compromisso de todos.

Os concursos são oferecidos em cinco áreas: cartazes, fotografia, jingle, vídeos e monografia e recebe trabalhos até o dia 27 de abril. Os participantes vão concorrer a prêmios de até R$ 6 mil.

A finalidade dos concursos, realizados anualmente, é incentivar a reflexão e a discussão sobre a questão das drogas nos ambientes escolar e universitário, e no dia-a-dia do cidadão brasileiro.

Com algumas categorias já em sua 13ª edição, o concurso foi ampliando com o intuito de ampliar a participação. Em 2011, com o tema “Arte e cultura na prevenção do uso de crack e outras drogas”, foram mais de dois mil inscritos e 90 vencedores. A expectativa para este ano é mobilizar ainda mais estudantes e cidadãos a pensar sobre o tema da prevenção.

Os regulamentos estão disponíveis nos sites http://www.senad.gov.br/ e http://www.obid.senad.gov.br/.


Conheça o regulamento de cada categoria:

Cartazes: podem participar estudantes do 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental, de escolas públicas ou privadas de todo o país, que serão divididos em quatro categorias. Serão premiados três cartazes por região (Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sul e Sudeste) em cada categoria.

Atenção candidatos do Concurso de Cartazes: o artigo 28 do Regulamento do Concurso de Cartazes foi retificado, favor obter conhecimento desta alteração.



Fotografia: aberto a profissionais e amadores, que disputam um único prêmio por região.

Para acessar o Edital, clique aqui. 



Jingle: voltado a músicos profissionais ou amadores e premiará o melhor trabalho de cada região.





Vídeo: alunos do 6° ao 9º ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, de escolas públicas ou privadas de todo o país. O concurso premiará um vídeo de cada região, por categoria.

Para acessar o Edital, clique aqui.






Monografia: podem participar estudantes universitários devidamente matriculados em cursos de graduação das Instituições de Ensino Superior reconhecidas pelo Ministério da Educação. Serão premiados os três melhores trabalhos em nível nacional.

Para acessar o Edital, clique aqui.






Fonte: Ministério da Justiça, 14/03/2012

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Biblioteca não abrirá amanhã (sábado)

   

      Devido ao Feriado de Tiradentes (21 de abril), a biblioteca não abrirá neste sábado.

      Lembramos que Livros de Consulta Local podem ser retirados a partir das 20 horas desta sexta-feira e devolvidos até as 8 horas de segunda-feira (23/04) mediante reserva antecipada no balcão de atendimento do térreo.   

      Um bom feriado a todos!

Documento levará a Saúde para debate na Rio+20

Sociedade pode contribuir para aperfeiçoar documento que será apresentado no Seminário Nacional sobre Saúde na Rio +20 previsto para os dias 15 e 16 de maio, em Brasília.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) colocou para contribuição pública ao documento “Saúde na Rio +20: desenvolvimento sustentável, ambiente e saúde”. O objetivo do documento é inserir o tema “saúde” na pauta da Conferência e recebe contribuições até a primeira semana de maio.

Produzido pelo Grupo de Trabalho da Saúde para Rio +20, o texto apresenta três eixos principais: economia verde e saúde; sustentabilidade e saúde; e governança e saúde. A redação destaca a premissa de que não existe desenvolvimento sustentável sem saúde.

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável deste ano, conhecida por Rio +20, já apresentou o rascunho do texto base responsável por conduzir os debates durante o evento. Com 19 páginas e elaborado com a participação de vários países, o documento aborda temas de economia, social e ambiente sem fazer menção à saúde.

Para o vice-presidente de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fiocruz, Valcler Rangel, a não inclusão da saúde na pauta da Conferência representa uma lacuna inaceitável no debate. “A saúde tem uma importância tanto naquilo que se refere à ocorrência de problemas decorrentes da crise ambiental, o impacto que tem na saúde da população, como também tem a possibilidade de contribuir com a exploração sustentável da biodiversidade, ou seja, a saúde não estar neste debate é um verdadeiro absurdo”, destacou Rangel.

Segundo Vacler Rangel, a iniciativa de elaborar o documento objetiva contribuir para que a pauta da Rio +20 seja direcionada não somente para a busca de alternativas econômicas, mas também para a consolidação de ações que promovam a qualidade de vida da população e para a reversão do modo de produzir e consumir no mundo.

Construção do documento

O processo de discussão do documento foi previamente tratado na consolidação das contribuições dos pesquisadores da Fiocruz dedicados a pesquisas no campo de desenvolvimento, ambiente e saúde. Os resultados destas pesquisas já são trabalhados junto a movimentos socais, que também contribuíram para o formato atual do texto “Saúde na Rio +20: desenvolvimento sustentável, ambiente e saúde”.

As contribuições realizadas a partir da página Saúde Rio +20 estão sendo analisadas por um grupo de trabalho dedicado a tarefa, que deve ser concluída até meados de maio. A nova redação vai ser apresentada no Seminário Nacional sobre Saúde na Rio +20 previsto para 15 e 16 do mesmo mês, em Brasília.

Por Jéssica Macêdo, da Agência Saúde – ASCOM/MS e Blog da Saúde



FONTE: Ministério da Saúde, 20/04/2012

Deixe seu comentário:

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Cientistas terão que justificar uso de animais em pesquisas no Brasil


Ministério da Ciência receberá relatórios periódicos de comissões de ética.
Sempre que possível, pesquisadores terão de usar métodos alternativos.
 
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação instituiu um novo formulário para regulamentar o uso de animais em pesquisas. O documento servirá para que cientistas de todo o país prestem informações sobre os projetos que envolvam animais a comissões de ética especializadas.

Essas comissões, então, prepararão relatórios anuais que deverão ser repassados ao Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea), órgão ligado ao Ministério.

O objetivo da norma é assegurar que as experiências com animais só serão feitas nos casos em que não houver outro método cientificamente validado para fazer a experiência. Sempre que possível, no entanto, os pesquisadores terão de optar pelas técnicas “in vitro” – com células isoladas em laboratório – ou “ex vivo” – usando apenas alguns tecidos específicos, retirados do animal.

A aprovação formal do formulário foi publicada nesta quinta-feira (19) pelo Diário Oficial da União, e passa a valer 15 dias após a data.

Simpósio em Brasília

O Ministério divulgou também a realização de um simpósio para debater o uso de animais em experiências no Brasil. O objetivo é capacitar os gestores das comissões de ética locais em relação às normas do setor. O evento organizado pelo Concea acontece em Brasília nos dias 13 e 14 de junho.


Leia também:

EUA vão restringir uso de chimpanzés em pesquisas científicas

Brasil ainda usa poucas alternativas a animais em pesquisas

FONTE: G1 - Ciência e Saúde, 19/04/2012

Deixe seu comentário:

Leitura na pediatria ameniza internação

Espaço criado por pedagogas no HSA auxilia na recuperação de crianças
Iniciativa incentiva pacientes da ala pediátrica a manter o contato com livros durante o período de hospitalização
Crédito: FERNANDO GOETTEMS / especial / CP

A literatura infantil está sendo usada como recurso na recuperação de  crianças  internadas no Hospital Santo Ângelo (HSA). A novidade, que envolve a criação de uma biblioteca na Pediatria, é fruto da iniciativa das pedagogas Josiane Lerino, Pâmela Martins e Tânia Baptista, que perceberam, em sala de aula, as consequências da carência de livros no ambiente hospitalar. Elas contam que a ideia surgiu quando boa parte de seus alunos da educação infantil precisou permanecer na casa de saúde, retornando à escola com prejuízo ao hábito de leitura. Segundo as profissionais, no período de internação, constatou-se que houve o afastamento dos livros e das histórias, fazendo com que as crianças deixassem de exercitar a imaginação.

Com isso, as educadoras resolveram criar um projeto para instalar uma biblioteca na ala pediátrica. A direção do hospital aceitou a ideia e as professoras começaram, então, a coleta de livros. Em 30 de março, Josiane estava de aniversário e solicitou a seus convidados obras infantis como presente. "Fiquei emocionada, pois houve a arrecadação de 263 livros", destaca. As publicações foram catalogadas e, desde o começo desta semana, formam o acervo da biblioteca. Segundo as pedagogas, esse novo espaço lúdico vai proporcionar o acesso à literatura, buscando amenizar o período de internação.

Conforme a coordenadora da Pediatria, Denise Verardi, com a iniciativa, o livro passa a ser identificado como um objeto de prazer, distração e auxílio na recuperação das crianças. As professoras pretendem também incentivar a formação de mais leitores e esclarecer os pais dos pequenos pacientes sobre a importância de ler histórias desde cedo aos filhos. "A biblioteca serve tanto para as crianças que já sabem ler como para aquelas que estão em processo de alfabetização", comenta Josiane.

As educadoras conseguiram também montar uma rede de colaboradoras. Professoras da educação infantil vão participar contando histórias às crianças internadas. Interessados em doar livros infantis e infanto-juvenis podem entregá-los na Pediatria do HSA ou na coordenação do curso de Pedagogia da URI.

FONTE: Correio do Povo, 19/04/2012, p.17

Deixe seu comentário:

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Tecnologia ajuda no ensino de medicina

No Santa Clara, detalhes da operação são conferidos em TVs de alta definição espalhadas pela sala
Santa Casa inaugurou sala em que alunos assistem a operações à distância.



Cinema no hospital Santa Clara, em Porto Alegre. O público? A primeira turma de residentes em videocirurgia do hospital. O filme? Uma cirurgia ao vivo. Ocupando mais de 50% da tela, a imagem em HD de um aparente sangramento na próstata, órgão que estava sendo operado.

– Isso que parece muito, na verdade não dá nem 5ml de sangue – informa o chefe do serviço de urologia da Santa Casa, Mirandolino Mariano.

Detalhes que só puderam ser notados pelos alunos por causa de uma tecnologia inaugurada no dia 17 de abril na unidade do complexo, que está inovando o sistema de ensino da medicina. As salas de videocirurgia avançada, que permitem operações de alta complexidade menos invasivas, são equipadas por monitores aéreos, câmeras que filmam em HD e TVs de alta definição.

Os equipamentos possibilitam que os médicos visualizem o interior do corpo humano ampliado, transmitido ao vivo por uma câmera de um centímetro inserida no paciente. Os alunos não precisam se amontoar em torno do professor para ver como ele opera. As chances de contaminação diminuem, e o conforto dos estudantes aumenta. No Hospital Santa Clara, residentes podem assistir a algumas operações de alto risco sentados em uma poltrona do outro lado da instituição. Médicos cadastrados também conseguem acompanhar por computador ou celular. Basta ter internet e login.

– Antes, os alunos tinham de acompanhar a cirurgia dentro do bloco cirúrgico. Agora, podem acompanhar em outra sala e veem todos os detalhes – explica o médico Luiz Alberto De Carli, coordenador do Centro Integrado de Videocirurgia avançada.

Investimento de R$ 500 mil e atendimento pelo SUS

O médico se guia pelo que vê em monitores aéreos ou em TVs de alta definição espalhadas pela sala. Os que estão fora palpitam e aprendem. Mas a classe médica não é a única beneficiada com o investimento federal de R$ 500 mil. Setenta por cento dos atendimentos serão a pacientes do SUS. O restante ficará dividido entre particulares e de convênio. As operações são das áreas de urologia, proctologia, clínica geral e ginecologia.

Adriana Prauchner, bancária, fez redução de estômago na segunda semana de abril. Se tivesse realizado o procedimento um mês atrás, poderia ganhar uma cicatriz permanente ou um mês de recuperação. Por ter usufruído da tecnologia, tem cinco pequenas marcas no corpo que tendem a desaparecer. E a disposição já está em alta:

– Fui para casa em cinco dias e hoje faço pequenas caminhadas diárias.

O Hospital São Francisco também conta com sala de videocirurgia avançada. Como teve apoio financeiro de empresas privadas, o atendimento é voltado a convênios e particulares.
 
As videocirurgias
 
Confira o que muda com as novas salas de videocirurgia:
 
ANTES
Estudantes acompanhavam cirurgia na sala de operação. Chance de contaminação era maior.
DEPOIS
Alunos podem acompanhar de outra sala do hospital por meio de uma tela, onde se pode ver mais detalhes.
 
ANTES
Os cirurgiões operavam olhando para um monitor de 32 polegadas.
DEPOIS
Operam vendo três telas de 42 polegadas e em imagem full HD.
 
ANTES
Os pacientes poderiam ficar com cicatrizes permanentes, pois o corte era grande.
DEPOIS
Os pacientes ficam com três a cinco marcas pequenas, que tendem a desaparecer, por causa da inserção da câmera e dos instrumentos de diâmetro de, no máximo, um centímetro.
 
FONTE: Zero Hora, 18/04/2012, p. 25
 




terça-feira, 17 de abril de 2012

Estudos científicos em Saúde receberão R$ 165 milhões

Recursos, que vão para estudos de estratégias para fixação de médicos no SUS, terapia celular, redução do tempo de espera, dentre outros, foram anunciados durante abertura do Encontro com a Comunidade Científica 2012.

O ministro Alexandre Padilha anunciou um investimento de R$ 165 milhões em pesquisas na área de Saúde, este ano. Serão publicados este ano seis editais em diferentes áreas: terapia celular, doenças negligenciadas, gestão do trabalho e educação em saúde, pesquisa clínica, avaliação de tecnologias e coortes (estudos longitudinais). “O intuito é incentivar pesquisadores a encontrar soluções inovadoras para serem aplicadas no SUS e aprimorar o atendimento e a assistência ao usuário”, explicou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, na abertura do Encontro com a Comunidade Científica 2012, que teve início na segunda-feira (16) e segue até quarta (18), e reúne cerca de 600 pesquisadores.

“Esta é a hora da virada para nós reduzirmos a dependência tecnológica do Brasil”, declarou o ministro aos pesquisadores. “O lançamento de pesquisas voltadas para as necessidades da população nos permite sonhar e avançar para consolidar o Brasil como produtor importante de vacinas, por exemplo”, concluiu.

Durante o encontro, foram premiadas pesquisas de destaque, por meio do Prêmio de Incentivo em Ciência e Tecnologia para o SUS – uma espécie de “Oscar da Saúde” –, que está em sua décima edição. Além de reconhecer o mérito científico dos pesquisadores, a iniciativa amplia a divulgação dos resultados das pesquisas, favorecendo sua incorporação pelos serviços públicos de saúde.

“O evento marca a importância de uma política nacional de saúde baseada no conhecimento e na inovação, contribuindo para um novo projeto nacional de desenvolvimento, que se baseia na inovação e na inclusão social. O objetivo é incentivar a independência e autonomia produtiva e tecnológica ao país”, afirmou o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Carlos Gadelha.


FONTE: Portal da Saúde, 17/04/2012

Cães e outros bichos-terapeutas ajudam ser humano a cuidar da saúde

IARA BIDERMAN
de São Paulo
 
Nem só de cavalos é feita a terapia com animais. Outros seres de quatro patas (e até os duas asas) são usados para ajudar o ser humano a cuidar de sua saúde e a lidar com suas limitações.
 
O denominador comum a todas as terapias com bichos é a facilidade de estabelecer vínculos com os animais e o conforto emocional que eles trazem, segundo o fisioterapeuta Vinícius Ribeiro, diretor da ONG TAC (Terapia Assistida por Cães).
 
                                                                                                Juca Varella/Folhapress
Manoelina Santa Lúcia, 81, como a Boston-Terrier Madá, na associação Recanto da Vovó, em Cotia (SP)

As características de cada espécie são usadas para criar diferentes estratégias de tratamento. Por exemplo, aves, como o papagaio, são boas em terapias com autistas.

"A criança faz um ruído e a ave imita. É um retorno sensorial muito grande", diz a psicopedagoga Liana Santos.

Tartarugas entram em jogos de tabuleiro para ajudar casos de agitação excessiva e de ansiedade - e haja paciência para esperar o bicho percorrer as casas até chegar ao ponto estabelecido.

Coelhos anões são usados para desenvolver a coordenação motora: segurar aquela bolinha de pelos macia e que não para de se mexer é um ótimo exercício.

As grandes estrelas, no entanto, são os cães. Além da empatia fácil, o hábito cultural de tratar o cachorro "como gente" faz dele um mediador de conflitos.

"O animal é um catalisador de emoções, a pessoa expressa seus sentimentos por meio dele: diz que quem está triste, cansado, chateado é o cachorro", exemplifica Ribeiro.

Os cães também podem ser adestrados para objetivos terapêuticos específicos -de fazer fisioterapia com o paciente a reconhecer quando a pessoa precisa de afeto.

Em alguns países, há cachorros sendo treinados para serem cuidadores de idosos com Alzheimer. "Eles evitam, por exemplo, que a pessoa saia sozinha e se perca", conta Ribeiro.

A presença de um cão também provoca a liberação de hormônios ligados a sensações prazerosas.

"Estudos com autistas mostram que o convívio com o cachorro aumenta a liberação de oxitocina, hormônio ligado ao afeto e à interação social", diz o fisioterapeuta.

Nesse clima, até uma cansativa sessão de fisioterapia parece ser feita sem esforço. "Que criatura. A gente vê nos olhos dela que está gostando", diz Manuelina de Moraes Santa Lúcia, 81, beijando sua "treinadora", a pug Filó, 3, depois de passar quase uma hora fazendo exercícios com os cães da TAC.

FONTE: Folha.com, 17/04/2012

Deixe seu comentário:  


Congressos


             Ocorre nos dias 9 a 12 de maio, no Centro de Eventos da PUCRS, o 11º Congresso Sudamericano de Medicina del Deporte, o 24º Congresso Brasileiro de Medicina do Exercício e Esporte e o 8º Congresso Gaúcho de Ortopedia e Traumatologia.

          Informações e inscrições no site http://www.medesporteortopedia.com.br ou pelo telefone (51) 3019-2422.  


Deixe seu comentário:

segunda-feira, 16 de abril de 2012

No dia da voz, saiba mais sobre ela

No dia da voz, comemorado neste 16 de abril, trazemos esta entrevista ao Programa do Jô com a fonoaudióloga Mara Behlau, que fala sobre Fonoaudiologia e principalmente sobre Voz.







 

Deixe seu comentário:

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Curso de Fonoaudiologia promove Semana da Voz


Inicia neste sábado (14) a série de atividades da Semana da Voz, uma iniciativa do curso de Fonoaudiologia da UFCSPA que visa a promover a saúde vocal junto à comunidade interna e externa. Estão previstas ações como a prestação de orientações sobre o uso adequado da voz e a promoção de oficinas de exercícios para a prevenção de problemas vocais.
As atividades da Semana da Voz serão desenvolvidas por estudantes do 3º ano do curso de Fonoaudiologia com a orientação das professoras Mauricéia Cassol e Fabiana Oliveira. A iniciativa tem o apoio do Conselho Regional de Fonoaudiologia do Rio Grande do Sul e Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Confira o cronograma de atividades:

14/04 – das 9h às 10h30
Atividade com profissionais que atuam no serviço VivaVOZ

Local: Call Center – Viva Voz

17/04 – tarde
Atividade com crianças e pais (jogos interativos e filmes infantis que abordem a questão da voz e orientações de saúde vocal para os pais)

Local: Ambulatório do Hospital Santo Antônio


17/04 – tarde (14h)
Oficina de cuidados da voz para professores

Local: Escola Anne Frank, Av. Cauduro, 238, bairro Bom Fim

17/04 – tarde
Atividade sobre câncer de laringe

Local: UBS Nova Brasília (Rua Vieira da Silva, 1016 – Sarandi

18/04 – manhã (9h) e tarde (15h)
Atividade com idosos

Local: UBS Assis Brasil (Avenida Assis Brasil, 6615 – Sarandi)

18/04 – das 12h às 14h
Atividade sobre câncer de laringe com o Grupo de Apoio aos Laringectomizados (Gala)

Local: Hospital Santa Rita (Rua Professor Annes Dias, 295 – Centro)

18/04 - 18h

Oficina de cuidados da voz para professores

Local: Escola Lídia Moschetti, rua Silvestre F. Rodrigues, 100, Bairro Rubem Berta

Orientação de cuidados com a voz com usuários e profissionais

Local: Unidade Básica de Saúde (UBS) Costa e Silva, Avenida Dante Ângelo Pilla, 365 - Rubem Berta, junto ao Grupo Hospitalar Conceição


FONTE: UFCSPA, 13/04/2012

Deixe seu comentário:

Metade dos casos de dor de cabeça está ligada à mandíbula


Mariana Versolato
Sabine Righetti  
São Paulo

A dor é na cabeça, mas a causa pode estar na boca, ou melhor, na mandíbula. Especialistas estimam que 50% das cefaleias estejam ligadas a distúrbios da ATM (articulação temporomandibular).

Esses problemas podem causar dores de cabeça, às vezes confundidas com enxaqueca. E o caminho até o diagnóstico pode ser longo.

Segundo o dentista Paulo Conti, do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP de Bauru, poucas pessoas associam a dor de cabeça à mandíbula.

Mesmo assim, um terço da população tem pelo menos um dos sintomas do distúrbio, como dor, estalo ou dificuldade para abrir a boca.

"Muitas vezes nem os médicos fazem essa associação. O paciente chega ao consultório do neurologista com dor e ele não imagina que o problema possa estar na ATM."

Ele preside a SBDOF (Sociedade Brasileira de Disfunções Temporomandibulares e Dor Orofacial), criada por ele há alguns meses para dar orientações sobre a ATM.

De acordo com o dentista Rodrigo Bueno, consultor científico da ABO (Associação Brasileira de Odontologia), a diferença entre a dor de cabeça da ATM e a da enxaqueca está na localização.

"A dor causada pelos distúrbios da ATM está mais na região lateral. E é tão aguda que a pessoa fica em dúvida se o incômodo é na cabeça, no ouvido ou nos dois."

Foi graças à dor de ouvido que a professora Marisa Rogati, 56, de São Paulo, descobriu, há dois anos, a causa de sua dor de cabeça, com a qual conviveu por quase 20 anos.

O otorrino disse que poderia ser algo relacionado à ATM, e a ortodontista confirmou a suspeita. "Nunca imaginei que a dor pudesse ter algo a ver com os dentes."

Desde os 35 anos, ela acordava com fortes dores de cabeça. "Achava que era o travesseiro. Saía um modelo novo e eu comprava." Como tratamento, usou aparelho ortodôntico por cerca de um ano.


FONTE: Folha.com/Equilíbio e Saúde, 13/04/2012