quinta-feira, 28 de março de 2013

Feliz Páscoa!!!

Algumas coisas são explicadas pela ciência,
 outras pela fé. 
A páscoa ou pessach é mais do que uma data, 
é mais do que ciência, é mais que fé.
Páscoa é amor.
 (Albert Einstein)

Feliz Páscoa!!!



quarta-feira, 27 de março de 2013

Ministério da Saúde lança campanha de vacinação contra a gripe




O público-alvo é de 39,2 milhões de pessoas.  A meta é vacinar, pelo menos, 80% deste grupo. Serão enviadas aos estados e municípios cerca de 43 milhões de doses da vacina

      O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou na terça-feira (26) o lançamento da 15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, que neste ano vai ser realizada entre 15 a 26 de abril, sendo 20 o dia de mobilização nacional. Na campanha, serão vacinados os integrantes do grupo prioritário, formado por pessoas com 60 anos ou mais, crianças de seis meses a dois anos, indígenas, gestantes, mulheres no período de até 45 dias após o parto (em puerpério), pessoas privadas de liberdade, profissionais de saúde, além dos doentes crônicos, que este ano terão o acesso ampliado a todos os postos de saúde e não apenas aos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIEs).
     O público-alvo representa aproximadamente 39,2 milhões de pessoas. A meta do Ministério da Saúde é vacinar 31,3 milhões de brasileiros, o que equivale a 80% do público-alvo. A campanha irá contar com 65 mil postos de vacinação e envolvimento de 240 mil pessoas, com a utilização de 27 mil veículos, entre terrestres, marítimos e fluviais. A ação é uma parceria entre as três esferas gestoras do Sistema Único de Saúde (SUS) - Ministério da Saúde e secretarias estaduais e municipais de saúde.
Serão distribuídas cerca de 43 milhões de doses da vacina, que protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no inverno passado (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). Para apoiar as ações de mobilização da população e de preparação das equipes de saúde da família, o Ministério da Saúde está enviando aos estados e municípiosR$ 24, 7 milhões, recursos que serão repassados do Fundo Nacional de Saúde aos fundos estaduais e municipais.
      Durante a apresentação da campanha, o ministro fez um apelo para que todos os integrantes do grupo prioritário se vacinem. “É importante que estas pessoas, comdoenças cardíacas, pulmonares, obesos, transplantados renais ou que tenham alguma doença crônica associada, procurem os postos de vacinação e levem a prescrição”, explicou Padilha. 
        O ministro ressaltou ainda que neste ano, o Ministério da Saúde decidiu incluir também as mulheres em puerpério (45 dias após o parto) porque este grupo apresenta as mesmas condições de saúde das gestantes e também pelo fato de que, na amamentação,  a vacina ajuda a proteger o bebê. 



FONTE: Portal da Saúde, 26/03/2013

segunda-feira, 25 de março de 2013

Incrições abertas para o Programa SciFinder de Futuros Líderes em Química


Sumário  
             Desde 2012 o Programa SciFinder® de Futuros Líderes em Química se dedica a fornecer a estudantes de todo o mundo oportunidades para contribuir na formação do futuro das informações químicas. Neste ano 16 estudantes de doutorado e pós-doutorado serão premiados por suas realizações acadêmicas, compromisso com a pesquisa e valorização da informação química.

Informações Gerais      
                   Mudanças para o programa de 2013

2013
2012
Número de participantes

16

15
Participantes a serem selecionados
Estudantes de doutorado e pós-doutorado
Estudantes de doutorado
Requisitos
1 carta, curriculum vitae, ensaio
2 cartas, ensaio
Duração do Programa

8 dias

11 dias

Seleção dos candidatos

Os candidatos devem ser estudantes de doutorado ou pesquisadores de pós-doutorado em química ou ciências relacionadas. Também devem ser proficientes em princípios de recuperação de informação, análise e fluxo de trabalho, além de ter um conhecimento prático de múltiplas ferramentas de pesquisa.

Inscrição
Os estudantes e pesquisadores devem submeter um requerimento de participação pelo site do CAS até o dia 05 de Maio de 2013, domingo.

  São necessárias as seguintes informações:
·         Informações de contato
·         Programa de pós-graduação ou informações de compromisso de pós-doutorado
·         Carta ou recomendação do orientador
·         Curriculum Vitae
·         Ensaio

O ensaio deve ser constituído de 500 a 1000 palavras e deve descrever a importância da ferramenta SciFinder no processo de pesquisa. A avaliação será baseada na originalidade e clareza da descrição de como o SciFinder é especificamente integrado no processo de pesquisa do estudante.

Premiação

Os 16 candidatos que melhor demonstrarem suas realizações acadêmicas, compromisso com a pesquisa e valorização de informações químicas serão anunciados no início de Junho de 2013. Cada um receberá os seguintes prêmios:

·          Uma viagem à Indianapolis, IN para participar do 246º Encontro Nacional e Exposição da ACS;
·            Uma viagem para Columbus, OH
·            Certificado de distinção
·    US $ 1.000

Cronograma

20 de Março
Início das inscrições
5 de Maio
Prazo final para inscrições
31 de Maio
Revisão do prazo para inscrições
Início de Junho
Divulgação dos selecionados
7 a 11 de Setembro
246º Encontro Nacional e Exposição da ACS em Indianapolis
12 a 14 de Setembro
SciFinder® de Futuros Líderes em Química em Columbus, OH

          Seja um dos 16 futuros líderes em química para aprender e compartilhar ideias com colegas de todo o mundo nesta semana com todas as despesas pagas. Você também terá oportunidade de trocar ideias com cientistas do CAS para contribuir na formação do futuro da informação química e aprender sobre os mais recentes avanços da pesquisa no 246º Encontro Nacional e Exposição da ACS.

·    7 a 11 de Setembro de 2013 - 246º Encontro Nacional e Exposição da ACS em Indianapolis, IN.
·         12 a 14 de 2013 de Setembro - Campus Columbus, Ohio.


Inscrições até dia 5 de Maio no endereço www.cas.org/futureleaders.


 FONTE: E-mail, 25/03/2013

sexta-feira, 22 de março de 2013

Treinamento do Portal de Periódicos Capes em maio



                       Nos dias 14 e 15 de maio irá ocorrer o Treinamento Portal de Periódicos Capes aqui na UFCSPA.

                       O evento está sendo organizado pela Universidade Federal  do  Rio  Grande  do Sul - UFRGS.

                       Veja abaixo a programação e acesso o link para incrição.

 Clique na imagem para ampliar

Intercâmbio oferece oportunidade a pesquisadores brasileiros no setor farmacoquímico

 


                  Pesquisadores brasileiros serão treinados e poderão acompanhar por, pelo menos um ano, projetos de desenvolvimento e pesquisa de medicamentos em três centros especializados no exterior: Cambridge, na Inglaterra; Paris, na França, e Frankfurt, na Alemanha. O intercâmbio poderá ser feito a partir dos próximos meses, pelo Programa Ciência sem Fronteiras e a expectativa de especialistas e de autoridades do governo brasileiro é que o treinamento supra um déficit de conhecimento científico sobre pesquisa e desenvolvimento de medicamentos, que ainda serão produzidos e que estão em fase de testes iniciais de segurança.
            Na tarde de terça-feira passada (19), representantes do Ministério da Educação (MEC) e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) assinam parceria com o grupo farmacêutico francês Sanofi. Pelo acordo, que está em estudo há seis meses, o grupo vai disponibilizar os centros de pesquisa especializados para a imersão dos pesquisadores e, em contrapartida, o governo federal vai arcar com as despesas do aluno, por meio de bolsas de estudo.
               “O déficit nesse setor é muito grande e talvez esta seja uma das razões pela qual o Brasil não avançou em inovação tanto quanto outros países”, avaliou Jaderson Lima, diretor de Alianças Médicas e Científicas da Sanofi. Segundo ele, os pesquisadores vão retornar para o Brasil capacitados para assumir as pesquisas e contribuir para ampliar, no futuro, o acesso da população brasileira a medicamentos inovadores, desenvolvidos em território nacional.
               “Se amanhã, a Sanofi ou qualquer empresa do setor quiser montar um centro na área pré-clínica no Brasil vai precisar de profissionais qualificados”, explicou. De acordo com Lima, os pesquisadores selecionados serão treinados por, no mínimo, um ano no exterior. “Esses profissionais vão ser treinados em projetos que já temos e que estão em curso. Não serão projetos hipotéticos. Eles vão trabalhar lado a lado com pesquisadores para que o treinamento seja o mais pragmáticos e eficiente possível”, garantiu.
              O processo de inscrição segue os padrões já definidos pelo programa brasileiro, que há mais de dois anos têm concedido bolsas para estudantes brasileiros que querem se especializar no exterior. Lima disse que a programação do treinamento já foi concluída e que os centros estão prontos para receber os pesquisadores. Segundo ele, o início do intercâmbio depende, agora, da seleção dos candidatos. Os pesquisadores brasileiros interessados têm que ter pós-graduação em nível de doutorado, para se inscrever nos editais de pós-doutorado pelo site do programa.
         Jorge Almeida Guimarães, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoas de Nível Superior (Capes), vinculada ao MEC, antecipou que a parceria deve atrair outras empresas do setor farmacoquímico e aumentar as oportunidades de especialização de profissionais brasileiros nessa área. A meta do governo é conceder 101 mil bolsas, em diversas áreas, para estudantes brasileiros até 2015, sendo que 75 mil delas seriam bancadas pelo governo federal e o restante com ajuda da iniciativa privada.
           Autoridades em educação e na área científica apostam que a oferta de bolsas de estudo para graduação, pós-graduação, doutorado e pós-doutorado em várias áreas de conhecimento, pode viabilizar mais rapidamente as inovações no país. Neste caso específico da indústria farmacoquímica, a expectativa é que o treinamento aponte soluções de saúde inovadoras, que possam ser usadas no Brasil e no mundo para atender às necessidades dos pacientes.
          Pelo Ciências sem Fronteira, os estudantes podem fazer estágio em outros países, aproximando-se de sistemas educacionais competitivos em relação a tecnologia e inovação. O programa também atrai pesquisadores do exterior que queiram estudar, por um tempo determinado, no Brasil.

Fonte: Agência Brasil | Carolina Gonçalves / FAPERGS, 20/03/2013

quinta-feira, 21 de março de 2013

Brasil tem uma criança com síndrome de Down a cada 600 a 800 nascimentos

                                Da Agência Brasil

Brasília - No Dia Internacional da Síndrome de Down, a Agência Brasil publica hoje (21) uma série especial de matérias mostrando pessoas com a alteração genética que venceram o preconceito e as dificuldades e são exemplos de inclusão.
A síndrome de Down, ou trissomia do 21, é uma condição geneticamente determinada. Trata-se da alteração de cromossoma mais comum em humanos. No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, a cada 600 a 800 nascimentos, uma criança tem síndrome de Down, independentemente de etnia, gênero ou classe social.
A data foi criada em 2006 com o objetivo de valorizar as pessoas com a síndrome, conscientizar a sociedade sobre a importância da promoção de seus direitos e, assim, permitir que elas tenham vida plena e digna, como membros participativos em suas comunidades.

Edição: José Romildo

Leia também: 



Distrito Federal tem 18 centros de educação precoce para crianças com síndrome de Down







FONTE: Agência Brasil, 21/03/2013

quarta-feira, 20 de março de 2013

Acesso à CRCnetBase está liberado até 18 de abril



         A Bases de Dados CRCnetBase está com o acesso liberado até o dia 18 de abril através dos computadores da Universidade ou pelo Proxy Periódicos.

          Acesse:   http://www.crcnetbase.com/

         CRCnetBASE oferece acesso a referências nas áreas científicas, tecnológicas e médica.

Programa Jovens Talentos para a Ciência abre inscrições


 
        A iniciativa é destinada a estudantes de graduação de todas as áreas do conhecimento e tem o objetivo de inserir precocemente os estudantes no meio científico.
      A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) começou a receber na segunda-feira, dia 18, as inscrições ao programa de incentivo à iniciação científica Jovens Talentos para a Ciência. 
       A iniciativa é destinada a estudantes de graduação de todas as áreas do conhecimento e tem o objetivo de inserir precocemente os estudantes no meio científico. As inscrições vão até o dia 28 de março.
   Os estudantes recém-ingressos em universidades federais e institutos federais de educação serão inscritos pela instituição de ensino superior por meio de formulário eletrônico.   
   Da mesma forma que na primeira edição do programa, as instituições indicaram representantes responsáveis por nomear coordenadores em cada curso de graduação que procedem com as inscrições dos estudantes. Os ingressantes do 2º semestre de 2012 poderão participar da seleção.
    Os alunos serão selecionados pela universidade, mediante prova de conhecimentos gerais, aplicada no dia 5 de maio. Cada universidade poderá indicar até três locais de prova, sendo que o campus sede tem que, obrigatoriamente, estar entre os indicados.
  A prova de conhecimentos gerais possui uma pontuação mínima de 60 pontos. Os aprovados receberão bolsa no valor de R$ 400,00 pelo período de 12 meses. O resultado será divulgado no dia 5 de julho.

Fonte: FAPERGS, 19/03/2013

terça-feira, 19 de março de 2013

Doenças associadas à obesidade custam quase R$ 500 milhões por ano ao SUS

A proporção de obesos subiu de 11,4% para 15,8% entre 2006 e 2011 
 Foto: Birgit Hofmann / Deposit Photos

 Segundo o Ministério da Saúde, 25% dos R$ 488 milhões são destinados à obesidade mórbida

 

       As doenças relacionadas à obesidade custam R$ 488 milhões todos os anos aos cofres públicos, informou nesta terça-feira o Ministério da Saúde. Dados divulgados pela pasta indicam que 25% desse valor destinam-se a pacientes com obesidade mórbida, que, segundo o ministro Alexandre Padilha, custam cerca de 60 vezes mais do que uma pessoa obesa sem gravidade.
    A pesquisa da Universidade de Brasília (UnB) que apontou esses valores considerou dados de internação e de atendimento de média e alta complexidades relacionados ao tratamento da obesidade e de outras 26 doenças relacionadas, como alguns tipos de câncer, isquemias cardíacas e diabetes.
    A pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), feita em 2011 pelo Ministério da Saúde, revelou que a proporção de obesos subiu de 11,4% para 15,8% entre 2006 e 2011.

     A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2009 apontou que 21,7% dos brasileiros que têm entre 10 e 19 anos apresentam excesso de peso; em 1970 esse índice era 3,7%. Segundo os dados, 1,14% das mulheres e 0,44% dos homens apresentam obesidade grave, o que representa 0,8% da população.

    Ao todo, há 14,8 milhões de brasileiros obesos. O número equivale à quase metade dos obesos dos Estados Unidos. De acordo com Padilha, considerando as pessoas com até oito anos de estudo, o número de obesos é o dobro do verificado entre a população que frequentou a escola por mais tempo. Ele também ressaltou que a maior parte dos obesos está na população mais pobre.

Leia também:   Doenças associadas à obesidade custam meio bilhão de reais

 

FONTE: Zero Hora, Bem Estar, 19/03/2013.

Pesquisadora americana fala sobre os efeitos da meditação

JULIANA VINES
de São Paulo

           As últimas pesquisas sobre meditação a relacionam com a melhora nos sintomas da ansiedade, da depressão e até de doenças crônicas como artrite. Para Sara Lazar, pesquisadora em neurociência, não é exagero usar a prática milenar como tratamento. 

       Lazar, pesquisadora do Departamento de Psiquiatria do Massachusetts General Hospital, em Boston (EUA), esteve quinta-feira (14) no Brasil para o Seminário Internacional Neurociência e Meditação, realizado pela Associação Palas Athena com apoio do Hospital Israelita Albert Einstein (a inscrição pode ser feita no site www.palasathena.org.br e custa R$ 120).
    
    A neurocientista americana medita desde 1994 e é pioneira no uso de imagens da atividade cerebral para investigar os efeitos da prática.
    Em 2011, seu grupo publicou estudo mostrando que oito semanas de meditação são capazes de aumentar a massa cinzenta em certas regiões do cérebro, mesmo em pessoas sem experiência anterior. 

À Folha, ela fala sobre os benefícios da prática.
*
Folha - Quais são os principais benefícios da meditação?
 
Sara Lazar - A meditação reduz o estresse e pode diminuir os sintomas de algumas doenças. Há boas evidências associadas à depressão. Mas pessoas com distúrbios psiquiátricos graves, como transtorno bipolar ou esquizofrenia, devem ser cautelosas e praticar no máximo de cinco a dez minutos por dia. 

A meditação pode vir a ser usada como tratamento?
Sim, há muitas pesquisas que mostram isso. A prática reduz sintomas, mas não cura completamente essas doenças crônicas. É uma terapia complementar, e não alternativa. Significa que deve ser feita em conjunto com tratamentos da medicina convencional, não no lugar deles. 

Quanto tempo é preciso meditar para ter algum resultado?
No estudo (de um programa de oito semanas), os indivíduos foram orientados a praticar 40 minutos por dia, todos os dias. Algumas pessoas fizeram isso, mas outras praticavam menos tempo. A média foi de 27 minutos por dia. Não se sabe qual é o tempo mínimo para que se tenham mudanças no cérebro. Outros pesquisadores descobriram que até 10 minutos diários podem ser úteis. 

Esse seu estudo mostrou que há um aumento de massa cinzenta. Como isso acontece?
Não sabemos exatamente. No entanto, estudos com animais indicam que, quando alterações semelhantes acontecem, três tipos de mudanças cerebrais podem ser detectadas. Primeiro, há mais conexões entre os neurônios. Em segundo lugar, pode haver mais vasos sanguíneos ou um aumento no diâmetro dos vasos nas áreas afetadas. Finalmente, pode haver um aumento das "células auxiliares", tais como as células gliais (dão suporte aos neurônios). Há um aumento da atividade cerebral. 

É como se a pessoa exercitasse o cérebro meditando?
De forma coloquial, sim. 

O aumento de volume em áreas do cérebro está ligado a mudanças comportamentais?
É outra coisa que não sabemos. A questão agora é entender o que essa mudança na massa cinzenta significa. Estamos fazendo outro estudo. Já sabemos que alterações na amígdala são relacionadas com redução do estresse. 

Por que a técnica "mindfulness" (atenção plena) é a mais usada nas pesquisas?
Muitas técnicas de meditação são úteis, mas há um programa de oito semanas desenvolvido há muitos anos e que usa a atenção plena. A técnica pode ser definida como prestar atenção ao momento presente. Basta a pessoa se concentrar em uma experiência sensorial (som, tato, olfato). Não se deve pensar sobre o que está produzindo a sensação ou julgar se você gosta ou não, apenas sentir. Isso é atenção plena. 

O relaxamento obtido com a meditação teria o efeito de uma boa noite de sono?
Há semelhanças, mas não é a mesma coisa. O sono não produz alteração no cérebro, não melhora estresse, a ansiedade ou a depressão. 


  Divulgação

Sara Lazar
IDADE
45 anos

FORMAÇÃO
Biologia na Universidade Johns Hopkings e PhD na Universidade Harvard

ATUAÇÃO
Instrutora em psicologia na Harvard Medical School e pesquisadora associada do Massachussetts General Hospital na área de neurociência

ÁREA DE INTERESSE
Estuda meditação desde 1998, pratica desde 1994 e não se considera religiosa 


FONTE: Folha de São Paulo, 12/03/2013 


XVIII Congresso Sulbrasileiro de Ortopedia e Traumatologia


segunda-feira, 18 de março de 2013

Conheça as bases de dados da Elsevier fazendo os treinamentos online

Caso não consiga visualizar esta mensagem, clique aqui

 

Campanha para diagnóstico de hanseníase inicia nesta segunda-feira

 
O objetivo é aumentar o diagnóstico precoce e identificar comunidades com hanseníase e verminoses. Asduas doenças têm cura e o tratamento é gratuito pelo SUS.

      Começou nesta segunda-feira (18) a campanha do Ministério da Saúde de prevenção de hanseníase e verminoses em 9,2 milhões de estudantes da rede pública. Até sexta-feira (22), alunos de escolas localizadas em 800 municípios, com alta carga da doença, serão avaliados para diagnóstico precoce das duas doenças. A campanha foi lançada oficialmente nesta segunda-feira, em Recife (PE), pelo secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa.
    Com o slogan Hanseníase e Verminoses têm cura. É hora de prevenir e tratar”, a campanha tem como objetivo aumentar o diagnóstico precoce, além de identificar comunidades em que as duas doenças ainda persistem.
     Durante toda esta semana, agentes comunitários de saúde e profissionais da Estratégia de Saúde da Família e das Unidades Básicas, visitarão as escolas em busca de alunos que apresentem sinais e sintomas das doenças. Os casos suspeitos serão encaminhados à rede básica de saúde para confirmação e início imediato do tratamento. 
    Na solenidade de lançamento da campanha, o secretário de Vigilância em Saúde destacou a importância do diagnóstico e tratamento.  “A hanseníase tem cura e, quando a pessoa começa o tratamento, a transmissão é interrompida quase que imediatamente”, alerta Jarbas Barbosa.
    O secretário ressaltou que a doença é rara em crianças, mas quando ela é portadora é porque alguém na família ou na comunidade possui hanseníase. “Nosso objetivo é duplo: detectar o caso, tratando a criança, e também descobrir outros casos na comunidade que possam estar perpetuando a doença”, explicou Barbosa.
   A campanha também pretende reduzir a carga das verminoses (parasitas intestinais conhecidos como lombrigas, que causam anemia, dor abdominal e diarreia). Estes parasitas podem prejudicar o desenvolvimento e o rendimento escolar da criança.  O tratamento, em dose única, será realizado por profissionais de saúde nas unidades básicas, após consulta para autorização de pais ou responsáveis.  Esta ação também prevê a distribuição de 10 milhões de cartilhas para orientação dos professores e estudantes, com esclarecimentos gerais sobre as doenças.  
    Com relação à hanseníase, o diagnóstico será realizado com a ajuda dos professores, pais ou responsáveis. Os professores irão distribuir aos alunos formulário com perguntas sobre sinais e sintomas da doença, a ocorrência de algum caso na família e um desenho do corpo humano para identificação do local de alguma mancha. Os formulários, que deverão preenchidos com a ajuda dos pais ou responsáveis, serão enviados às secretarias municipais de Saúde, que ficarão responsáveis pelo encaminhamento dos alunos, com manchas sugestivas de hanseníase, às unidades básicas de saúde. Com a confirmação da doença, o estudante receberá tratamento gratuito. A previsão de cura é de 12 meses após o início do tratamento.


FONTE: Portal da Saúde, 18/03/2013

sexta-feira, 15 de março de 2013

Livro sobre Cinema, ética e saúde será lançado no Museu Júlio de Castilhos

       
        Será lançado no próximo sábado (16), às 19h, no Museu Júlio de Castilhos, o livro Cinema, Ética e Saúde. A coletânea de 376 páginas, organizada pela professora de filosofia da UFCSPA Ana Carolina da Costa e Fonseca, reúne 72 artigos escritos por 36 autores.

         O livro, escrito a muitas mãos, é resultado de um trabalho de pesquisa, análise de filmes, produção de textos, realizado ao longo de dois anos pelo grupo de pesquisa em Bioética e Direito da universidade. Os autores, em sua maioria, são vinculados à própria universidade ou a Faculdade de Direito da Escola Superior do Ministério Público.

       A organizadora assina individualmente ou em colaboração com outros integrantes. A obra é dividida em quatro partes: Primeiro Olhar, O viver, O morrer e Outros Olhares. Todos os artigos abordam filmes distintos e contêm indicação de temas para discussão, leituras complementares, além de dados sobre o filme.

       O livro oferece uma seleção temática de filmes, um ensaio a respeito de cada filme, uma lista de questões para serem discutidas e uma lista de livros sobre os temas em questão. O livro é uma produção da Editora Bestiário com projeto gráfico e capa de Roberto Schmitt-Prym.

Debate
Antes do lançamento, às 16h, será realizado um debate sobre o tema com a seguinte programação:

16:00 Emília dos Santos Magnan

Ética nas relações familiares em situação de conflito: Alienação parental

16:25 Ivy Pimenta Dias

A manipulação da memória no filme Brilho eterno de uma mente sem lembranças

16:50 Matheus Iglessias Mazzochi

Gattaca: manipulação genética e determinismo social

17:15 Cora Efrom

O declínio do império americano e As invasões bárbaras: discutindo a vida e a morte

17:40 Juliana Nólibos

Food, Inc. e Meat the truth: questões éticas da produção industrial de alimentos vegetais e de
animais para consumo e seu impacto na saúde dos seres humanos, dos animais e do planeta

18:05 Marianna Rodrigues Vitório

Colisão de princípios fundamentais em Johnny got his gun: direito à vida ou direito à morte?

18:30 Laís Chaffe

Comentários da diretora sobre o filme Canto da cicatriz

Texto: Assessoria Sedac

FONTE: UFCSPA e SEDAC

Insatisfação com saúde é maior no Brasil que na América Latina, diz ONU


Ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de
Urgência (Samu) (Foto: Márcio Pinho/G1)
 País ficou em 108º em aprovação da saúde, entre 126 nações pelo mundo.
Brasil perde para Afeganistão e Serra Leoa em satisfação com serviço.


Rafael Sampaio Do G1, em São Paulo 


               O índice de insatisfação com a qualidade e o atendimento à saúde é maior no Brasil do que na média da América Latina, aponta um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgado nesta quinta-feira (14). Enquanto o índice de satisfação com a saúde do país foi de 44%, em média 57% da população da América Latina demonstrou aprovar o serviço, número maior do que o brasileiro.
         Os dados, contabilizados pelo Instituto Gallup em vários países do mundo, foram coletados entre 2007 e 2009 e são os mais atuais disponíveis, de acordo com o relatório da ONU. Os indivíduos entrevistados responderam a perguntas como: "Em seu país, você confia nos hospitais e no sistema de saúde oferecido?"
         O Brasil ficou na 108ª posição em satisfação com seu sistema de saúde, em comparação com 126 países de todo o mundo, analisados pelo Relatório de Desenvolvimento Humano 2013. O índice de aprovação brasileiro também é menor do que a média mundial, de 61%.
               Nenhum país da América Latina teve índice de satisfação tão baixo quanto o Brasil - a exceção é o Haiti, em que só 35% da população disse aprovar o sistema de saúde. Países como Uruguai (77% de aprovação), Venezuela (75%), México (69%) e Bolívia (59%) consideraram os próprios serviços de saúde melhores do que a população brasileira.

          O Brasil perde em satisfação com a saúde também para países como Afeganistão (46% de aprovação), Serra Leoa (46%), Camarões (54%) e Senegal (57%). O líder do ranking é Luxemburgo, pequeno país europeu em que 90% da população disse aprovar os próprios serviços de saúde.
           O Brasil, por outro lado, é apontado como um dos países que universalizou a vacinação (99% das crianças com um ano receberam ao menos uma dose da vacina contra a rubéola em 2010, por exemplo).
           Para a ONU, uma das principais causas do empobrecimento em muitos países é a falta de acesso a tratamentos de saúde de qualidade, sejam gratuitos ou não. "Um serviço de saúde ruim, especialmente ao atender o chefe da família, é uma das grandes causas da pobreza, pois compromete a fonte de renda familiar e gera gastos com atendimento particular", diz o relatório.
       O Brasil é destaque no relatório pela atuação do movimento sanitarista realizado por profissionais da saúde. Segundo a ONU, os profissionais "desempenham um papel central no desenvolvimento do sistema público de saúde [SUS] do país".


FONTE: G1, 15/03/2013 

quarta-feira, 13 de março de 2013

Pesquisadores lançam revista sobre autismo


 
Por Elton Alisson

Agência FAPESP – A pesquisa sobre o transtorno do espectro autista – uma disfunção global do desenvolvimento que afeta as capacidades de comunicação, socialização e comportamento de milhares de pessoas em todo o mundo – vem obtendo avanços nos últimos anos que apontam para a melhoria da avaliação e do tratamento do distúrbio comportamental.

Alguns dos resultados de estudos realizados nesse campo do conhecimento são publicados em diversas revistas científicas internacionais.
Nenhuma dessas publicações, no entanto, é direcionada especificamente à divulgação de resultados de pesquisas relacionadas à análise do comportamento para avaliação e tratamento do transtorno do espectro autista.

“Há várias revistas científicas internacionais sobre autismo, que abrangem diferentes áreas, mas nenhuma delas tem ênfase na análise do comportamento de indivíduos com o transtorno do espectro autista”, disse Celso Goyos, professor do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), à Agência FAPESP.

De modo a suprir essa carência, Goyos e um grupo de pesquisadores de diferentes países lançou uma revista científica internacional on-line com esse foco.

Intitulado International Journal of Behavior Analysis & Autism Spectrum Disorders (IJOBAS), o periódico, de livre acesso, publicará artigos originais sobre pesquisas aplicadas, translacionais ou experimentais na área.

“Nós pretendemos atrair artigos de qualidade sobre pesquisas relacionadas especificamente à análise do comportamento, que possam ser utilizadas para avaliação e tratamento de pessoas com transtorno do espectro autista e, ao mesmo tempo, deixar espaço para outras publicações, que têm a intenção de serem mais abrangentes, abarcarem outras áreas”, afirmou Goyos.

ESPCA sobre Autismo
De acordo com o pesquisador, o periódico é resultado de um projeto idealizado há vários anos, que por diversas razões se concretizou por meio da realização de uma Escola São Paulo de Ciência Avançada: Avanços na Pesquisa e no Tratamento do Comportamento Autista (ESPCA Autism), na UFSCar, no início de 2012.
Realizado no âmbito da ESPCA, modalidade de apoio da FAPESP, o evento foi organizado por Goyos em parceria com os pesquisadores Caio Miguel, da California State University, e Thomas Higbee, da Utah State University, dos Estados Unidos, e reuniu aproximadamente 60 convidados estrangeiros, provenientes, principalmente, da América do Norte e da Europa.
Uma das questões que os pesquisadores discutiram durante o encontro foi a necessidade de se criar meios de divulgação dos resultados das pesquisas realizadas na área de análise do comportamento de autistas, em que a maioria dos convidados do evento atua.
Com base nas discussões, os organizadores da ESPCA sobre autismo decidiram publicar um livro on-line – que está em processo de edição e, possivelmente, será de livre acesso – sobre os trabalhos apresentados durante o encontro.
Na avaliação deles, contudo, há um número expressivo de estudos em andamento que necessitaria de mais publicações. Com base nessa constatação, decidiram lançar uma revista científica específica sobre o assunto.
“Existe apoio empírico robusto e abundante para a eficácia da abordagem comportamental aplicada ao tratamento do transtorno do espectro autista”, afirmou Goyos.

Revista internacional
Para lançar a revista, foi formado um corpo editorial composto por Goyos, como editor-chefe, além de Higbee e Brian Iwata, da Universidade da Flórida (EUA), Jeff Sigafoos, da Victoria University of Wellington (Nova Zelândia), Neil Martin, da Queens University e da Universidade de Kent (Reino Unido), Dickie Yu, da Universidade de Manitoba (Canadá), Giovana Escobal e Nassim Elias, ambos da UFSCar, como editores associados.
Segundo Goyos, a ideia era de que a publicação tivesse um caráter internacional e reunisse especialistas com larga experiência na área e pesquisadores em início de carreira – nos mesmos moldes das ESPCAs apoiadas pela FAPESP, que unem pesquisadores de grande reputação em suas áreas e estudantes de pós-graduação.
“Tentamos aplicar no periódico a mesma concepção das ESPCAs realizadas pela FAPESP”, disse Goyos.
Os pesquisadores também tiveram a preocupação de disponibilizar a publicação em um sistema on-line de livre acesso já adotado por algumas revistas científicas brasileiras – chamado Open Journals Systems (OSJ) –, de modo que os usuários possam navegar livremente pela página, submeter artigos e ter acesso a todo o conteúdo da revista, após registrar-se gratuitamente.
“Por ser on-line, a revista terá um dinamismo bem maior do que as publicações tradicionais na área, que são impressas”, avaliou Goyos.

Visibilidade no exterior
De acordo com Goyos, a meta é indexar a publicação nas principais bases de revistas científicas internacionais, como a SciELO, apoiada pela FAPESP, de modo a contribuir para aumentar a visibilidade no exterior das pesquisas realizadas no Brasil.
“Estamos nos tornando referência na área, mas a visibilidade das nossas pesquisas no exterior ainda é tímida”, afirmou Goyos. “Esperamos que ter uma revista científica na área instalada no Brasil, com brasileiros no corpo editorial, possa alavancar o conhecimento produzido no país em pesquisa sobre o transtorno do espectro autista e colocá-lo na vitrine internacional.”
O comitê editorial da revista convida pesquisadores, de todos os países e continentes, a submeterem seus artigos para publicação na primeira edição do periódico, prevista para junho. Os procedimentos para submissão de artigos podem ser acessados no site da revista.

FONTE: Agência FAPESP, 13/03/2013