sexta-feira, 7 de julho de 2017

Cientistas analisam mecanismos genéticos da cárie em crianças

A digestão dos alimentos começa com a mastigação e a ação da saliva. Além de facilitar a digestão, a saliva tem em sua composição substâncias antimicrobianas que agem no combate a microrganismos que podem causar doenças na boca, entre elas a cárie. Um estudo brasileiro recém-publicado pela revista científica Caries Research analisou a associação do polimorfismo genético na betadefensina e no microRNA 202 com a variação dos níveis do antimicrobiano e o aparecimento da cárie. O título está disponível no acervo do Portal de Periódicos da CAPES.

A betadefensina é um peptídeo antimicrobiano produzido a partir de informações transmitidas pelos microRNAs associados ao gene que dá origem ao peptídeo. O microRNA constitui uma classe de RNA não recombinante com papel fundamental na regulação da expressão gênica. “É o primeiro artigo em Odontologia a estudar o polimorfismo genético em microRNA”, disse a pesquisadora Erika Calvano Küchler em entrevista à Agência FAPESP. 

“A cárie é uma doença multifatorial complexa e que podemos prevenir. Nosso interesse neste trabalho foi tentar entender quais seriam os mecanismos moleculares, principalmente aqueles de origem genética, envolvidos no aparecimento da cárie em crianças”, detalhou Küchler. 

“Nosso trabalho consistiu em duas partes. A primeira visou replicar os estudos entre o gene da betadefensina e a suscetibilidade à cárie na população brasileira, para verificar se obteríamos os mesmos resultados. A segunda parte deu um passo adiante, ao fazer uma análise para detectar a associação ou não entre polimorfismo no microRNA 202 e a suscetibilidade ao desenvolvimento da cárie”, relatou a cientista.

Os níveis salivares dos peptídeos de betadefensina foram coletados em amostras de saliva de 168 crianças, entre dois e 12 anos, da pré-escola e do ensino fundamental no Rio de Janeiro. A pesquisa consistiu ainda na realização de um questionário comportamental para detectar, por exemplo, o número de escovações diárias, quais crianças escovavam os dentes antes de dormir, quais usavam fio dental e quais ingeriam doces entre as refeições. 

Por fim, foi feita uma análise multifatorial que levou em conta os resultados genotípicos de DEFB1 e do microRNA 202, os níveis de betadefensina na saliva e os critérios de avaliação comportamental das crianças. “No futuro, quando identificarmos o conjunto de genes associados ao aparecimento da cárie, será possível detectar bem cedo quais crianças têm maior predisposição ao desenvolvimento de cárie e iniciar tratamento de prevenção”, analisa Küchler.

Para o desenvolvimento da investigação, Erika Küchler confirma a necessidade de uma ferramenta como a biblioteca virtual da CAPES: “utilizo com frequência o Portal de Periódicos e sempre recomendo aos meus alunos. Esse trabalho é parte da tese de doutorado da Andrea Lips (primeira autora da pesquisa) e o Portal foi utilizado tanto por mim quanto por ela durante a pesquisa bibliográfica do estudo”.

Küchler complementa: “Fui bolsista da CAPES nos períodos de mestrado, doutorado e pós-doutorado. Além disso, muitos dos meus alunos são ou foram bolsistas também. O apoio da CAPES é imprescindível para a formação de pesquisadores e para o avanço da pesquisa brasileira”.

O artigo científico Genetic Polymorphisms in DEFB1 and miRNA202 Are Involved in Salivary Human β-Defensin 1 Levels and Caries Experience in Children está disponível em texto completo para os usuários do Portal de Periódicos da CAPES. Para localizá-lo, acesse a publicação Caries Research, por meio da opção Buscar periódico.

O título é focado exclusivamente na pesquisa da cárie, com estudos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais. A ampla cobertura da pesquisa inovadora em cáries dentárias deu à revista científica uma notável reputação internacional como fonte para cientistas básicos e clínicos envolvidos em compreensão, investigação e prevenção de doenças dentárias.

Verifique o conteúdo do Portal de Periódicos disponível para sua instituição.

Com informações da Agência Fapesp

Alice Oliveira dos Santos

Fonte: Portal CAPES. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário: